Topo

Para casa, soldados! Deu errado. Renuncie, Mourão! Abracem a democracia!

General Hamilton Mourão, vice-presidente. Sim, ele foi eleito. E, ora vejam, por isso mesmo, deve renunciar Imagem: Rafaela Felicciano/Metrópole
Reinaldo Azevedo

Colunista do UOL

26/02/2020 20h24

Será mesmo verdade que os militares amam a pátria, como eles próprios gostam de dizer em linguagem sempre grandiloquente? Sendo verdade, existe um caminho claro para evitar uma crise institucional, para onde quer nos empurrar o presidente Jair Bolsonaro.

Quero crer que os senhores oficiais-generais das Três Forças têm claro que não há a menor chance de um golpe militar — ou um autogolpe, com apoio fardado — prosperar no Brasil. Antes que se ensaiassem alguns discursos patrióticos, o país iria de vez para o buraco, e o passo seguinte, por óbvio, seria cadeia para os golpistas.

Não ficaria bem para tão vetustos senhores. A alternativa seria o caos, resultado que amantes da pátria certamente descartam.

Senhores generais, admitam: já dá para saber que deu errado, não é mesmo? Vocês imaginaram uma coisa, e deu outra. Aliás, nem havia como dar certo, uma vez que a tarefa de fardados, especialmente os da ativa, é a defesa da pátria, segundo dispõe a Constituição, não governar.

Vou reiterar a sugestão que lhes fiz em coluna da Folha do dia 10 de maio do ano passado: caiam fora do governo e se atenham às suas tarefas constitucionais. Estendo a exortação aos militares da reserva, que estão contribuindo para manchar a reputação das Forças Armadas com sua adesão a um governo tosco.

Vocês, oficiais-generais, certamente formam o esteio conservador da sociedade, não? Um conservadorismo que pode ser saudável porque defensor da institucionalidade. Sigam, então, a recomendação de um expoente dessa corrente de pensamento: Samuel Huntington, como se esclarece abaixo.

Sigam e não sirvam de esbirros de delírios totalitários.

Assim, deixo aqui a viva recomendação para que Hamilton Mourão, em nome de suas convicções democráticas — que são reais, certo, general? — renuncie a seu mandato de vice-presidente. Por que isso? A coluna, que segue na íntegra, explica.

*
Acabou a ilusão. A cada dia que os militares, da ativa ou da reserva, permanecem no governo Bolsonaro, as Forças Armadas, como instituição, se degradam. E se sujam com a lama ideológica em que se afunda a gestão. Em vez do amor à pátria, uma pistola 9mm; em vez do hino nacional, uma .45; em vez do patriotismo, o ódio --que alguns pretendem redentor-- à democracia.

Meu ponto de vista é radical e não admite flertes de nenhuma natureza dos fardados com o poder político. Renuncie, general Hamilton Mourão! Sim, sei que o senhor foi eleito. Deixe que Rodrigo Maia (DEM-RJ) seja o primeiro na linha sucessória. Os loucos vão se aquietar um pouco. Afinal, o presidente o queria apenas como um espantalho para assustar civis.

Voltem, senhores, para os quartéis e seus clubes, e lá se dediquem aos afazeres tipicamente militares e à defesa da Constituição. É por isso que, nas democracias, nós, os civis, lhes damos o monopólio do "uso legítimo da violência".

Vocês garantem os Poderes constituídos se estes forem ameaçados. Aliás, general Augusto Heleno, prefiro substituir a palavra "violência", a que recorreu Max Weber na expressão acima, por "força". Civiliza mais.

Não faz sentido, senhor Rêgo Barros, que um general da ativa seja porta-voz de um presidente. Renega o conteúdo de um livro que o senhor mesmo citou em tom elogioso numa das "lives" de Bolsonaro —aquelas que imitam a estética Al Qaeda.

Em "O Soldado e o Estado", de Samuel Huntington, o "controle civil objetivo das Forças Armadas", que o senhor diz defender, o impede de portar a voz de um político. Tanto pior quando esse político promove o achincalhe do ente a que o senhor pertence.

Retomem seus afazeres na vida civil, senhores militares da reserva, sem se descolar de seu zelo habitual pela ordem —não é isso? Bolsonaro queria apenas a sua honorabilidade, não suas opiniões, seu senso de dever, sua moralidade, seus compromissos com o que apropriadamente chamam "pátria". Esses valores não são compatíveis com a gramática do poder em curso.

O general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército, um homem de caráter reto, está errado quando diz que Olavo de Carvalho, o prosélito de extrema direita, é um Trótski de sinal invertido. A ideia é sugerir que o autoproclamado filósofo trai ou agride a revolução que ajudou a promover. Trótski ainda fica melhor como o "profeta traído", caracterizado por Isaac Deutscher.

Não houve revolução nenhuma. Carvalho é o verdadeiro bolsonarismo, nunca seu traidor. Errado, meu caro Villas Bôas, foi aquele seu tuíte intimidando o STF às vésperas da votação do habeas corpus a Lula. Atravessava-se o Rubicão. Hora de voltar. Deu errado.

Ainda é tempo de inverter o sentido da marcha da tropa e estacioná-la do lado de lá do rio que separa o poder civil do militar.

O constrangimento dos generais com o decreto do "liberou geral" das armas é evidente. Justamente eles: os que foram desarmar o Haiti; os que foram desarmar o Congo; os que foram desarmar o Rio —não é mesmo, Rêgo Barros? Agora se veem em meio a um delírio que tem como horizonte, acreditem!, a luta armada redentora entre os "bons" e os "maus".

O que sente um militar decente, senhores, obrigado a endossar um decreto que vai aumentar o poder de fogo das milícias e do narcotráfico? Notem que não faço a pergunta a Sergio Moro porque só chamo ao debate quem tem o que dizer.

Alguém alimenta alguma dúvida razoável de que os petardos disparados por Carvalho —que Bolsonaro decidiu condecorar com a Grã-Cruz da Ordem de Rio Branco— contam com a anuência do presidente? Sim, há loucura nesse método, para inverter o clichê. Mas isso significa que método é, ainda que destinado a dar errado. Dará, mas não sem grandes sortilégios.

Voltem a seus afazeres originais, senhores, longe da política! Se o governo Bolsonaro se afundar na própria indigência intelectual, é importante que estejam prontos a defender a Constituição. Mas prestem atenção a uma advertência ainda mais importante do que essa.

Há uma hipótese remota, bem remota, de que o arranjo dê certo. Nesse caso, será ainda mais necessário que os senhores estejam inteiramente dedicados à defesa dos Poderes constituídos. O risco às instituições democráticas seria ainda maior. Se há coisa que sei sobre as almas autoritárias é que o sucesso lhes assanha a sede de... autoritarismo.

Vocês decidirão, senhores, com quantos anos de opróbrio as Forças terão de arcar quando terminar essa loucura.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para casa, soldados! Deu errado. Renuncie, Mourão! Abracem a democracia! - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Newsletters Resumo do Dia

Para começar e terminar o dia bem informado.

Reinaldo Azevedo