PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Imprensa mundial faz chacota de Bolsonaro; na Economist, vira "BolsoNero"

Imagem de parte de artigo da revista "The Economist" em que Bolsonaro é chamado de "BolsoNero". Imprensa internacional faz chacota do presidente brasileiro, tornado símbolo de negacionismo estúpido no que respeita ao coronavírus - Reprodução
Imagem de parte de artigo da revista "The Economist" em que Bolsonaro é chamado de "BolsoNero". Imprensa internacional faz chacota do presidente brasileiro, tornado símbolo de negacionismo estúpido no que respeita ao coronavírus Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

27/03/2020 08h04

Tão logo assumiu, o presidente Jair Bolsonaro anunciou um governo que voltaria a fazer do Brasil um país respeitado em todo o mundo. Lembram-se disso? Bem, a política ambiental e, mais do que ela, o discurso que a sustenta já haviam relegado Banânia à condições de pária. Paulo Guedes sabe muito bem que ouviu de investidores estrangeiros que não há chance de o país voltar a ser destino de dinheiro relevante enquanto, nessa área, a estupidez e o atraso se estreitarem num abraço insano.

Bolsonaro passou a ser uma referência internacional de político de extrema-direita que não dá bola para a questão ambiental ou para os direitos humanos.

Para a súcia que está no poder, tudo bem! Ao dirigente brasileiro bastava se mostrar um fiel servidor do "amigo Donald Trump". Também o presidente americano, note-se, deu de ombros, inicialmente, para os riscos associados ao coronavírus, que ele chamava de "vírus chinês". Já mudou de prosa e de rumo e anunciou o maior pacote de socorro estatal à economia desde a crise de 1929.

Bolsonaro, desta feita, preferiu inovar. Seus fanáticos — e isso inclui uma parcela de certo empresariado "gerontocida" — o empurraram não apenas para o isolamento interno. Ele, agora, é, de fato, reconhecido como uma figura singular no mundo. A imprensa internacional lhe confere o devido reconhecimento.

Escreve Nelson de Sá na Folha:
A resposta imediata ao novo pronunciamento de Jair Bolsonaro, na cobertura externa, havia sido de cansaço, até constrangimento, com o brasileiro e sua mesmice. "De novo", registravam os títulos. Com a entrada das revistas, começou o sarcasmo.

O título na inglesa The Economist, em sua edição impressa, é "BolsoNero", dizendo que ele "brinca" enquanto a pandemia avança sem controle no Brasil.

Na alemã Der Spiegel, "O último negacionista", com a imagem abaixo. Mostra que, da chanceler Angela Merkel ao primeiro-ministro indiano Narendra Modi, todos passaram a adotar o isolamento.

As comparações com Trump começaram a se perder, em parte porque este passou a adotar distanciamento nas entrevistas e a evitar a expressão "vírus chinês", de fato, como prometido.

Ainda assim, destacando que o presidente brasileiro continua tentando "canalizar Trump", o Washington Post embarcou na ironia, com este primeiro parágrafo:

"Ele falou que o auto-isolamento era 'confinamento em massa'. Chamou o novo coronavírus de 'gripezinha'. Perguntou 'por que fechar as escolas' se só pessoas com mais de 60 estão sob risco. Este é Jair Bolsonaro, líder do maior país da América Latina."

RETOMO
Pois é... Respeito é isso aí! Não há um só fundo de investimento no mundo que não tenha na Economist uma de suas referências de bom jornalismo.

Bolsonaro nos condena a um futuro bem mais cruel do que aquele que nos promete o vírus.