PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro manda Mandetta às favas e reitera tese que levaria país a colapso

No dia seguinte à entrevista de seu ministro da Saúde, Bolsonaro faz o contrário do recomendado e volta a cair nos braços da galera, numa provocação barata e perigosa - Foto: Marcos Pereira/ Estadão
No dia seguinte à entrevista de seu ministro da Saúde, Bolsonaro faz o contrário do recomendado e volta a cair nos braços da galera, numa provocação barata e perigosa Imagem: Foto: Marcos Pereira/ Estadão
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

30/03/2020 09h00

O país enfrenta um dos momentos mais difíceis da sua história — e podemos estar vivendo uma quadra que vai resultar no maior número de mortes de brasileiros de uma só causa — tendo à frente do Executivo um presidente da República autoritário, idiossincrático, errático, avesso à ciência, populista, incapaz de seguir as orientações oficiais dadas por seu próprio governo. No que respeita à expansão do coronavírus, quem anuncia, na esfera federal, a política de combate ao mal é o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Pois bem, neste domingo, o ministro foi ignorado, humilhado, espezinhado em praça pública por seu chefe.

Bolsonaro decidiu dar uns bordejos potencialmente homicidas pelo Distrito Federal. Em Ceilândia e Taguatinga, áreas superpovoadas, estimulou o ajuntamento de pessoas, pregou o fim da quarentena, incitou a população a voltar ao trabalho, contrariando as recomendações da quase unanimidade dos especialistas, da Organização Mundial da Saúde, do governo do Distrito Federal e, claro!, do próprio Mandetta. E ainda ameaçou o país com um decreto ilegal.

A um vendedor de churrasco, em Ceilândia, afirmou: "Eu defendo que você trabalhe, todo mudo trabalhe. Lógico, quem é de idade fica em casa." O interlocutor respondeu, segundo informa o Globo, que "a morte está aí, mas seja o que Deus quiser". E ouviu do presidente: "Vai morrer, não. A cloroquina está dando certo em tudo que é lugar". Números oficiais apontam que, até este domingo, em 13 dias, o coronavírus já matou 136 pessoas no país; há 4.256 infectados. E se dá como certo que são números brutalmente subestimados.

O presidente defende o chamado "isolamento vertical", restrito a um grupo, e somente para idosos, sem apontar como isso poderia ser operacionalizado. Na entrevista de sábado, falando em nome do governo federal, afirmou Mandetta:
"Não existe quarentena vertical, não existe quarentena horizontal, não existe nada. Existe a necessidade de arbitrar, num determinado tempo, qual é o grau de retenção que uma sociedade deve fazer. O lockdown, que é a paralisação total, ela pode vir a ser necessária em algum momento, em alguma cidade.(...) Deixemos que os governadores, prefeitos, nós, governo federal, façamos o máximo possível para preparar esse sistema [de saúde] para um estresse muito grande que está ali na frente."

O ministro também condenou as carreatas que bolsonaristas estão promovendo em favor da volta ao trabalho:
"Fazer movimento assimétrico, de efeito manada, agora, nós vamos, daqui a duas semanas, três semanas, os mesmos que falam 'vamos fazer uma carreta de apoio... Os mesmos que fizeram vão ser os mesmos que vão estar em casa. Não é hora agora."

E quanto ao uso da cloroquina? Mandetta também tratou do assunto:
"Cloroquina não é panaceia. Não é o remédio que veio para salvar a humanidade. Ainda. Estamos na pista. Tem várias pistas hoje sendo seguidas. Várias. Cloroquina é uma. O estudo é um estudo ainda incipiente. [cloroquina é] Para os pacientes graves. Por que é que não abre para o cara que tá com a gripe no primeiro dia? Porque esse medicamento, se tomado, pode dar arritmia cardíaca, pode paralisar a função do fígado. Se sairmos com a caixa na mão falando 'pode tomar', nós podemos ter mais mortes por mau uso de medicamento do que pela própria virose. Então não façam isso!".

Na teleconferência com países do G-20, na quinta, Bolsonaro portava uma caixinha de cloroquina. Era a panaceia de que falou o ministro.

O que pretende um presidente da República que ignora uma orientação do próprio governo?

Reinaldo Azevedo