PUBLICIDADE
Topo

Será que objetivo era demitir Mandetta já? O alerta para um jogo com corpos

Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde, no dia em que anunciou que fica no Ministério da Saúde depois de sua demissão ter sido dada como certa. Ficou sem ter de pedir perdão pelas coisas certas que fez. Sim, Bolsonaro faz um cálculo, e o objeto da contabilidade são cadáveres - Foto: Adriano Machado/Reuters
Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde, no dia em que anunciou que fica no Ministério da Saúde depois de sua demissão ter sido dada como certa. Ficou sem ter de pedir perdão pelas coisas certas que fez. Sim, Bolsonaro faz um cálculo, e o objeto da contabilidade são cadáveres Imagem: Foto: Adriano Machado/Reuters
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

06/04/2020 23h49

Em meio a tantas coisas inéditas, parece que vimos mais uma: no dia em que o presidente prometeu demitir o ministro da Saúde, foi o ministro da Saúde, para todos os efeitos, quem demitiu o presidente. Deixo aqui uma questão: não terá Bolsonaro errado no tom no domingo? Quereria ele demitir mesmo o ministro, para valer? Arrisco-me a dizer que não.

Querer, eu sei, é claro!, que ele quer. Ocorre que pode ser obscurantista, mas não é burro. O número de contaminados e mortos vai subir exponencialmente. Todos sabemos disso. Mesmo com as medidas de isolamento social.

Se Mandetta caísse agora, Bolsonaro estaria obrigado a implementar outra política. Ainda que os governadores resistissem, o que o atual ministro chama de "movimentos assimétricos" nos Estados viraria uma rotina. Demitir o titular da Saúde seria chamar para o próprio colo os doentes e os mortos.

A cada palavra dita na sua entrevista coletiva, Mandetta respondia a Bolsonaro. Depois da truculência exibida pelo presidente, mais o ministro queria sair do que o presidente queria que ele saísse. E isso chegou a ser um fato por algum tempo porque também Mandetta não queria ficar.

E quem queria que ele ficasse?

Rodrigo Maia, presidente da Câmara.

Davi Alcolumbre, presidente do Senado.

Os 27 governadores.

Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa, que tem o apoio irrestrito dos comandantes militares.

Os ministros planaltinos oriundos da caserna: Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e general Braga Netto, chefe da Casa Civil. Augusto Heleno, infelizmente, quer hoje o que quer Bolsonaro. Saúdo o fato de ter se recuperado da Covid-19 sem sequelas, que se saibam ao menos. Mas parece que se deixou tutelar intelectualmente por quem deveria ser seu tutelado.

Ah, claro! A esmagadora maioria dos brasileiros também queria a permanência de Mandetta. Uma informação: quando começou a circular o boato da demissão, houve panelaço no meu bairro — de classe média alta e ricos. Não pergunto o voto de ninguém. O corte, digamos, sociológico me faz apostar numa maioria folgada pró-Bolsonaro em 2018. Quando o ministro concedeu a coletiva dizendo que não sairia, ouvi outra coisa inédita: panelaço a favor. Eu mesmo escrevi aqui outro dia que isso não existe. Agora existe! Bolsonaro convocou um para apoiá-lo e não aconteceu nada, lembram-se?

Mandetta, como brincava a turma nas redes sociais (tudo envelhece muito rápido) sambou na cara da sociedade -- ou melhor: na cara de Bolsonaro:
- reafirmou o isolamento social, deixando claro não ser quarentena ou lockdown, sem descartá-los;
- falou de sua escolha em favor da ciência, escandindo sílabas; no dia anterior, o presidente havia sido ungido como milagreiro, de joelhos, por um pastor;
- reiterou que o pior ainda está por vir;
- saudou o trabalho da imprensa;
- pediu que cada auxiliar direto seu reafirmasse as medidas adotadas até agora;
- contou que foi convocado a participar de reunião com médicos cheios de ideias sobre remédios, convidando-os a falar com a Associação Médica Brasileira e com cientistas que pesquisam o assunto;
- deu até uma bronca carinhosa dos funcionários do Ministério da Saúde que lhe foram empenhar apoio; pediu que fossem combater o vírus.

Atendeu, em suma, aos apelos para não sair, mas ficou evidente que, então, tem de ser do seu jeito. E, parece, enquanto estiver lá, que será.

O PIOR POR VIR
Ocorre que o pior, O MUITO PIOR, está por vir. Mesmo com o amansamento ou achatamento da curva, especialistas preveem dias caóticos para o sistema de Saúde. Os brasileiros precisam ser permanentemente alertados para o inexorável. Quando acontecer, sejamos claros, é evidente que vai cair a confiança em Mandetta e na estratégia até aqui adotada.

Diante do sofrimento e da eventual anomia, as pessoas procurarão culpados. E, então, o "presidente demitido" pode querer se apresentar para anunciar: "Não sou eu! Falei que daria errado! Ficamos com os doentes e mortos e sem os empregos" — como se estes fossem resistir se o governo mandasse os brasileiros para o matadouro.

Bolsonaro sabe que a situação vai piorar muito. Aliás, os fatalistas que buzinam à sua orelha contra o isolamento social, a exemplo de Osmar Terra (o senhor está entrando para a história, deputado, acredite!), certamente o advertiram disso, razão por que dizem que tudo o que se faz seria inútil. Operam como se o vírus exigisse uma cota pré-estabelecida de corpos.

E, parece, o presidente conta com isso para, então, voltar a liderar. Tudo, claro!, sempre a depender do estado de ânimo dos brasileiros. Às portas do Alvorada, no domingo, Bolsonaro demonstrou certa insatisfação com o fato de o povo ser "pacífico até demais"

CAMINHANDO PARA A CONCLUSÃO
Bolsonaro queria, sim, medidas de relaxamento e um Mandetta contra os governadores. Age nesse sentido porque precisa fazer a vontade, inclusive, de alguns empresários que financiam as milícias digitais, conforme apontou Rodrigo Maia no programa "Canal Livre".

Mais: como sabe o fiscal do Ibama que o multou em 2012 e perdeu o cargo de confiança em 2019, Bolsonaro é vingativo. Vale para ele a famosa frase de Talleyrand sobre um qualquer dos Bourbons: "Não aprende nada nem esquece nada".

Infelizmente, parece que o presidente está a fazer uma aposta macabra: tentar jogar nas costas de Mandetta e dos governadores, mais adiante, a suposta escolha errada, que então terá resultado em mortos e doentes aos montes.

E, no entanto, é preciso que se diga desde já: a escolha que está aí não é escolha. É o que apontam a razão e a ciência. É preciso que o ministro, sua pasta, os governadores e a imprensa sejam bastante realistas e, de fato, alertem os brasileiros para um período, com o perdão do clichê apavorante, de "sangue, suor e lágrimas".

Sem ele, é preciso que fique claro e explícito, seria ainda mais sangue, ainda mais suor, ainda mais lágrimas.

Reinaldo Azevedo