PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Judeus dos EUA cobram que ministro brasileiro se desculpe por grave ofensa

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

29/04/2020 08h59

O Comitê Judaico Americano reagiu à delinquência escrita por Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Brasil, que comparou em seu blog o distanciamento social aos campos de concentração nazistas. Em sua conta no Twitter, escreveu o Comitê:
"A analogia usada por Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Brasil, comparando medidas de distanciamento social com campos de concentração nazistas é profundamente ofensiva e completamente inapropriada. Ele tem de pedir desculpas imediatamente".

É o mesmo artigo em que o aloprado senhor afirma que o coronavírus é parte de um complô comunista para dominar o mundo.

O Comitê remete para um texto publicado nesta terça no "The Times of Israel" sobre o artigo de Araújo.

Sob o pretexto de criticar o livro "Vírus", do pensador marxista Slavoj Zizek, escreve o chanceler:
Zizek repete aqui o lema colocado na porta do campo de concentração de Auschwitz, a ultracínica, perversa afirmação de que "O trabalho liberta". Segundo ele, portanto, os nazistas não erraram na substância, erraram apenas no uso que fizeram dessa frase. (Aqueles que ainda não acreditam que o nazismo é simplesmente um desvio de rota da utopia comunista, e não o seu oposto, encontrarão aqui talvez um importante elemento de reflexão.) Segundo esse expoente do marxismo, Arbeit macht frei é o "lema correto" da nova era de solidariedade global que se avizinha em consequência da pandemia, e o que diferencia este novo mundo do campo de Auschwitz é que agora se fará bom uso desta horrível mentira que perverte e humilha dois valores sagrados da humanidade, o trabalho e a liberdade. Os comunistas não repetirão o erro dos nazistas e desta vez farão o uso correto. Como? Talvez convencendo as pessoas de que é pelo seu próprio bem que elas estarão presas nesse campo de concentração, desprovidas de dignidade e liberdade. Ocorre-me propor uma definição: o nazista é um comunista que não se deu ao trabalho de enganar as suas vítimas.

RETOMO
É asqueroso!

O distanciamento social salva vidas. Os campos de concentração eram centros de execução em massa.

O distanciamento social, que não é quarentena, é voluntário. Os internados nos campos não tinham alternativa.

O distanciamento social busca evitar a morte. Os campos de concentração eram uma sentença de morte.

A associação entre uma coisa e outra é moralmente dolosa.

E há a questão histórica.

O distanciamento social é uma forma de a humanidade, indistintamente, se proteger de um patógeno que mata e que destrói o sistema de saúde dos países. Os campos de concentração eram parte de uma política de extermínio de um povo.

Ao associar o distanciamento social a campos de concentração, por razões puramente ideológica, Araújo o eleva à gravidade de uma política de extermínio. Já é uma estupidez!

Mas, ao associar campos de concentração a distanciamento social, o ministro rebaixa a malignidade do genocídio, banalizando-o.

Eis aí. Bolsonaro prometeu, como é mesmo?, que o "Brasil voltaria ser respeitado no mundo".

Ao menos os judeus americanos protestaram com veemência.

O FILHO DO PAI
Um filho, naturalmente, não tem de arcar com os erros do país. Informou a Folha no dia 12 de fevereiro:
"Em 1978, durante o regime militar, o então procurador-geral da República, Henrique Fonseca de Araújo, dificultou a extradição de um nazista responsabilizado por 250 mil mortes entre 1942 e 1943. Escolhido para o cargo pelo presidente Ernesto Geisel, ele deu pareceres negativos à extradição de Gustav Franz Wagner. O procurador, morto em 1996, é pai do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, escolhido pelo presidente, Jair Bolsonaro (PSL)"

Em seu blog, o ministro defendeu o pai, conforme noticiou a Folha no dia 16 de fevereiro:
No texto publicado neste sábado (16), dia em que o pai do chanceler faria aniversário, o ministro elogiou o "ordenamento jurídico estável" da ditadura militar e ainda afirmou que o período é comparado "erroneamente" a "regimes autoritários". O ministro das Relações Exteriores escreveu que foi nesse contexto que o pai "emitiu o parecer de que trata a matéria da Folha que, conforme se depreende da própria matéria, não visou a defender um foragido nazista, e sim o Estado de Direito, pois o que apontava eram as insuficiências processuais no pedido de extradição, sem qualquer contestação dos crimes cometidos pelo acusado".

Eis Araújo! Um defensor do estado de direito da ditadura, o "regime estável".

Nem em relação ao antissemitismo nem a coisa nenhuma, um filho precisa carregar os erros do pai, reitero.

Ernesto, como se vê, faz questão de carregar. Bom filho!

E de cometer os seus próprios erros.

Ao menos os judeus americanos protestaram com veemência, repito.