PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Oferta ilegal de dinheiro já é parte da pré-campanha eleitoral de Moro a 22

Ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro: até quando os maus bofes democráticos deste senhor vão assombrar o país? - Lula Marques/Agência PT
Ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro: até quando os maus bofes democráticos deste senhor vão assombrar o país? Imagem: Lula Marques/Agência PT
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

07/07/2020 09h39

A oferta que fazem a Lava Jato e a 13ª Vara Federal de Curitiba de doar até R$ 508 milhões para o combate à pandemia de coronavírus evidencia, uma vez mais, que não existe fronteira entre a força-tarefa e o juizado. A proposta é de tal sorte absurda que cobra a devida resposta do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público.

Às autoridades, só compete fazer o que prevê a lei. Onde está concedida a autorização para que uma facção do MPF e outra da Justiça disponham de um dinheiro que, atenção!, já está sob a guarda do Estado? Agora esses dois entes se tornaram alocadores de recursos, segundo prioridades que eles mesmos definem? Que patuscada é essa? Sabem o que é isso? Reitero: campanha eleitoral!

Afinal, parte considerável dos recursos que estão sob a custódia da 13ª Vara Federal de Curitiba foi amealhada em razão de sentenças expedidas, em primeira instância, pelo homem, pelo mito (ele também se acha um mito...), pela legenda: Sergio Moro.

Por que só agora? O Brasil não passou por outros momentos de aperto? Não é por falta de carência — e de assistência — que os pobres brasileiros renunciarão à sua condição, não é mesmo? Mas sabem como é... A miséria nossa de cada dia já é mesmo parte da paisagem. Já a pandemia é assunto quente, que mobiliza paixões, especialmente quando se tem um governo federal inepto, com um governante cruel e desastrado.

Então vem a oferta: até R$ 508 milhões!!! Doados por quem? Ora, pela força-tarefa de Curitiba — justamente aquela que resolveu se sublevar contra Augusto Aras. A ideia, obviamente, é empurrar o procurador-geral da República para a fala correta: a doação é ilegal.

E notem: com a provável exceção do Ministério Público que atua no Tribunal de Contas da União, não haverá um só procurador que vai se atrever a fazer a coisa certa: propor que se investigue imediatamente essa excrescência.

O que se pretende é criar a oposição entre a generosidade da força-tarefa e da 13ª Vara — que atuam como se o dinheiro lhes pertencesse — e o governo federal, que está impedido, por óbvio, de usar tais recursos sem incorrer em improbidade administrativa. Pergunta ainda mais fascinante: que instrumento legal seria usado para operar essa doação? Inexiste.

Não importa! Isso é parte da campanha da Lava Jato para tentar sair das cordas. E, de quebra, opõe a "turma de Moro" à "turma de Bolsonaro", que, então, estaria recusando uma generosidade daqueles bravos cavaleiros.

O jogo é descarado e vergonhoso. Mas uma vez, usam-se milhares de mortos para fazer política vil e mesquinha.

Reinaldo Azevedo