PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Coluna na Folha: Dois eventos nesta semana evidenciam um país acanalhado

Bolsonaro no telão da Câmara enquanto discursa em sessão conjunta do Congresso e protesto dos deputados do PSOL: "fascista e genocida" - EFE
Bolsonaro no telão da Câmara enquanto discursa em sessão conjunta do Congresso e protesto dos deputados do PSOL: "fascista e genocida" Imagem: EFE
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

05/02/2021 07h31

Leiam trechos:
Vivemos uma espécie de apagão de critérios. Como o Estado de Direito e o devido processo legal estão sob vara desde, ao menos, 2013, as mentes foram ficando confusas, atrapalhando-se, perdendo a noção de hierarquia. Assistiu-se, nesse tempo, a cada dia, a um tantinho de abuso impune. E fomos nos abastardando. Ou, nas palavras de Graciliano Ramos em "Memórias do Cárcere", nós, como povo, "nos acanalhamos". E, nesse ambiente, começamos a conviver com o "tudo é possível", dizendo a nós mesmos: "Vá lá, isso não é tão grave".

Nesta semana, dois eventos ilustram essa decadência, vamos dizer, civilizacional. (...) Alguns ficaram um tantinho chocados com o fato de deputados do PSOL terem homenageado Bolsonaro, na quarta, com palavras como "genocida" e "fascista". Também levantaram pequenos cartazes, em tamanho de papel ofício, que traziam essas palavras, acompanhadas de um "Fora". Não me choquei. O que me preocupou foi o fato de tão poucos terem protestado de maneira evidente e clara.
(...)
Esta foi também a semana em que a Lava Jato de Curitiba chegou ao fim, sob muitas lágrimas. As 105 reportagens da Vaza Jato já fizeram a anatomia da criação do Estado paralelo --que, ora vejam!, resultou justamente na eleição de Bolsonaro. (...)Os que se fizeram sócios da empreitada que corrompeu o direito penal no Brasil, inclusive na imprensa, corrompem agora os fatos para ligar o tal "desmonte da Lava Jato" --que não existe-- aos supostos interesses de Bolsonaro. Trata-se de uma fraude histórica, intelectual e moral.

Precisamos recuperar, na vida pública, uma hierarquia do saber. Proponho a Constituição e o devido processo legal acima de todos. Que tal?

Íntegra aqui