PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Gerente-geral da Pfizer nega que cláusulas de vacina eram leoninas

13/05/2021 12h30

O CEO da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, negou que tenham ocorrido cláusulas leoninas no acordo com o Brasil para a aquisição de imunizantes contra a covid-19. Na perspectiva do líder da farmacêutica, algumas exigências como prédios estatais e bases militares não foram pedidos fora do padrão, mas que todos os países receberam as mesmas condições.

"Não concordo com esse posicionamento, não concordo com o qualificativo de cláusulas leoninas. Nesta pandemia a Pfizer correu riscos que requeria que todos colaborassem nesse processo. Por isso a Pfizer exigiu para todos os países as mesmas condições que exigiu para o Brasil. A referência a embaixadas não é correta, está distorcida", disse o CEO da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo. (...) Leia íntegra no UOL.