PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

White Martins disse que estoque de oxigênio no AM não suportaria demanda

15/06/2021 16h18

Uma carta enviada pela White Martins ao governo do Amazonas no dia 16 de julho de 2020 mostrou que o estoque de oxigênio fornecido pela empresa ao estado não suportaria um colapso na saúde pública, como aconteceu em janeiro de 2021. O documento foi discutido na sessão da CPI da Covid nesta quarta-feira (15), durante o depoimento do ex-secretário de saúde Marcellus Campelo.

No documento, que buscava a renovação do contrato da White Martins com o estado, o gerente executivo de negócios da empresa, Petrônio Bastos, assim escreveu: "Avaliando os volumes [de oxigênio] contratados por Vossas Senhorias, já pudemos constatar que os mesmos não suportarão o consumo que atualmente estão praticando. Por outro lado, preocupa-nos que, neste momento excepcional, de tão alta demanda, há possibilidade de termos que tomar a difícil decisão de atender os clientes em seus limites, prazos e condições comerciais contratadas", escreveu. (...) Leia íntegra no G1.