PUBLICIDADE
Topo

Chamado de bandidinho, Santos Cruz processa Olavo e bolsonaristas

General Santos Cruz  - Wilson Mnedes/Segov
General Santos Cruz Imagem: Wilson Mnedes/Segov
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

07/07/2020 09h25

O general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro de Jair Bolsonaro, entrou na Justiça contra o escritor Olavo de Carvalho e dois militantes do bolsonarismo.

Nos processos, que foram abertos no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, o ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência cobra indenizações que totalizam R$ 140 mil por ofensas que recebeu nas redes sociais.

Olavo de Carvalho, por exemplo, chamou o general de "bosta engomada", "bandidinho" e "gente sem caráter". "O Santos Cruz é a última esperança que os petistas têm de continuar mamando dinheiro do governo", afirmou no twitter.

Santos Cruz, que iniciou sua carreira militar em 1968 e foi comandante das forças da ONU no Haiti e no Congo, entrou com ação também contra os bolsonaristas Maria Tereza Zappi e Manoel Magalhães dos Santo Gontijo.

Eles postaram em suas redes sociais imagens fakes do general, editadas, seminu e em posição sexual com o bilionário George Soros. Maria Tereza disse que o general é um "louco", que "não consegue ser homem sem uma farda por trás lhe dirigindo".

Gontijo chamou o general de "vagabundo" e de "figura grotesca do passado". Também atacou seus familiares: "vagabundos são seu pai, sua mãe, sua esposa e seus filhos".

Nas petições assinadas pelos advogados André Silveira e Ana Paula de Paula, do escritório Sérgio Bermudes, o general pede que as indenizações sejam destinadas à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, de Brasília.

Olavo, Maria Tereza e Gontijo ainda não se manifestaram no processo.

Santos Cruz foi demitido em junho de 2019 por pressão do chamado núcleo ideológico do governo, do qual Olavo de Carvalho é uma espécie de guru.