PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Silvia Abravanel ganha R$ 27 mil em processo judicial por briga de cachorro

 A apresentadora Silvia Abravanel    - Grupo CARAS
A apresentadora Silvia Abravanel Imagem: Grupo CARAS
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

09/09/2021 09h29

A Justiça paulista condenou C.K.A. a pagar uma indenização de cerca de R$ 27 mil à apresentadora Silvia Abravanel, sua vizinha no Jardim Lusitânia, em São Paulo.

Em agosto de 2019, Paçoca, o cão de estimação da filha de Silvio Santos, foi atacada por Zoy, uma cadela de grande porte da raça Akita, que escapou quando passeava pela calçada.

O cão, um Spitz Alemão (Pomerânia), sofreu inúmeros ferimentos e precisou ser internado. No momento do ataque, Silvia, que se recuperava de uma cirurgia no pé, correu ao ouvir os gritos da filha, que estava na frente da casa brincando com Paçoca. A apresentadora disse à Justiça que a situação prejudicou bastante a sua recuperação.

Na defesa apresentada à Justiça, C.K.A afirmou que a responsabilidade pela briga foi de Paçoca, que, segundo ela, "ao avistar Zoy, passou a latir descontroladamente, chamando a sua atenção". "Provocada pela investida do rabugento Paçoca, que passou a atacá-la, Zoy defendeu-se."

C.K.A disse que o cão de Silvia Abravanel não é santo. "Apesar de pequeno, é um cão bravo e agressivo, que late o tempo todo. Ao contrário da cadela Zoy, que é dócil", afirmou à Justiça.

O juiz Caramuru Afonso Francisco, da 18ª Vara Cível de São Paulo, afirmou na sentença que "há evidente culpa" por parte de quem está levando o animal a passear, "pois deve tomar as devidas cautelas para que não ataque outros seres, sejam animais ou humanos". "Por isso, deve o proprietário sempre levar o animal com coleira e, em certos casos, até focinheira."

C.K.A, que ainda pode recorrer da decisão, foi condenada a restituir os valores gastos por Silvia no veterinário (R$ 21.914,14), bem como pagar uma indenização por danos morais de R$ 5.000.