Conteúdo publicado há 25 dias
Rogério Gentile

Rogério Gentile

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Aluno da PUC vira réu sob acusação de ser o mentor do sequestro de colega

A Justiça aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público contra Fernando de Souza das Neves, de 42 anos, estudante de fonoaudiologia da PUC-SP, preso em março sob acusação de ter participado do sequestro de um colega de universidade.

Fernando, que foi preso no campus da PUC, em Perdizes, agora passou a ser réu no processo, que tramita na 19ª Vara Criminal de São Paulo. A juíza Giovana Furtado de Oliveira marcou para o dia 6 de agosto a audiência de instrução, debates e julgamento.

O sequestro ocorreu na noite de 5 de dezembro do ano passado.

De acordo com as investigações, o estudante havia combinado de encontrar o colega nas proximidades do metrô Campo Limpo, na zona sul de São Paulo

Os dois caminhavam pelo bairro, onde Fernando dizia morar, quando houve a emboscada.

No cativeiro, o jovem foi colocado em um banheiro, com as mãos e os pés amarrados. Fernando, que, segundo a polícia, simulava também ser vítima do sequestro, ficou em outro cômodo. Durante o período do cárcere, os criminosos diziam que o estudante já havia realizado um Pix de R$ 50 mil para o resgate, e que só faltava a parte dele.

O jovem foi solto no dia seguinte, após negociação com a família.

A polícia começou a desconfiar de Fernando, pois o endereço que ele havia dado ao colega como de sua casa não era verdadeiro. Com o seguimento das investigações, a polícia passou a considerá-lo como o mentor intelectual do crime.

Fernando disse à polícia não ter envolvimento com os criminosos. Declarou ser uma vítima, assim como o colega, tendo sido amarrado e agredido no cativeiro.

Continua após a publicidade

Em petição enviada à Justiça, o advogado Ricardo Bonalume, que representa o estudante, afirmou existir sérias dúvidas sobre a sanidade mental de Fernando.

Citou que ele é usuário de drogas, que passou por intervenção psiquiátrica e que, "durante sua prisão na delegacia, precisou intervir inúmeras vezes naquela carceragem devido à dificuldade de o investigado conviver com outros presos".

Segundo o advogado, Fernando "possui personalidade histriônica, além de transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de canabinoides e opiáceos".

Ele requisitou a realização de um exame psiquiátrico a fim de verificar se o estudante tem capacidade de entender o caráter ilícito dos fatos.

A juíza rejeitou o pedido, considerando-o prematuro. Deixou para deliberar novamente sobre o exame após a audiência, quando serão verificados eventuais indícios de incapacidade.

Também foram denunciados Jeferson da Silva e Felipe Barbosa, que afirmam ser inocentes.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Deixe seu comentário

Só para assinantes