PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro usa vídeo de "ajuda a brasileiros" que pagaram a própria passagem

Twitter/Página de Jair Bolsonaro
Imagem: Twitter/Página de Jair Bolsonaro
Rubens Valente

Rubens Valente é repórter desde 1989 e há 10 anos atua em Brasília. Nasceu no Paraná e trabalhou em órgãos da imprensa de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde se formou em jornalismo na UFMS (Universidade Federal do MS). É autor de "Operação banqueiro" (Geração Editorial, 2014) e "Os fuzis e as flechas - história de sangue e resistência indígena na ditadura militar" (Companhia das Letras, 2017). Recebeu 17 prêmios nacionais e internacionais, incluindo o Prêmio Esso de Reportagem, dois Prêmios de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Jornalismo) e dois Grandes Prêmios Folha.

Colunista do UOL

08/04/2020 13h44

O presidente Jair Bolsonaro compartilhou em suas redes sociais, no último dia 4, um vídeo produzido pelo Ministério das Relações Exteriores com depoimentos de brasileiros que supostamente teriam sido repatriados ao Brasil pelo governo federal durante a crise do novo coronavírus. O vídeo viralizou para atingir, até as 10h30 desta quarta-feira (8), 1,42 milhão de visualizações e 6,4 mil comentários somente no Instagram. No Twitter, onde o presidente tem 6,4 milhões de seguidores, foram mais 400 mil visualizações.

Bolsonaro escreveu: "O Itamaraty e [o ministro] Ernesto Araújo têm agido para trazer milhares de brasileiros que ficaram isolados em outros países. Nossos cumprimentos a todos os profissionais do Ministério das Relações Exteriores".

A partir daí, o telefone de um dos brasileiros que aparece no vídeo como tendo sido repatriado de Lisboa, em Portugal, não parou de tocar. Eram amigos e familiares indagando o que ele estava fazendo "no vídeo do Bolsonaro", como foi o voo fretado pelo governo ou como foi o hotel pago pelo governo. Porém, nunca houve voo fretado nem hotel do governo.

O grupo de oito brasileiros pagou cerca de R$ 3,5 mil do próprio bolso, cada um, para a viagem de retorno em uma companhia aérea brasileira normal, com um prejuízo total de R$ 25 mil para o grupo - que até agora não foi ressarcido. Então qual foi a ajuda do Itamaraty? Ter feito as reservas em outro voo, após um contato com a companhia aérea, segundo um dos brasileiros ouvidos pela coluna.

O empresário brasileiro Juan Gimenez, 31, disse ter ficado perplexo com a divulgação massiva das imagens. "O vídeo foi editado. As pessoas começaram a me procurar, pessoas da família: 'O que você está fazendo no vídeo do Bolsonaro?' Como se a gente estivesse agradecendo ao Bolsonaro por algo que ele fez por nós. Foi um constrangimento enorme que eu nunca passei na vida. Ele deu a entender, foi sorrateiro."

O empresário pede agora que Bolsonaro apague o vídeo nas suas redes sociais. "Pelo constrangimento que ele está causando a nós, é o mínimo que ele tinha que fazer. Ele está tratando o nosso caso como um circo para auto-promoção."

No vídeo divulgado pelo presidente, durante seis segundos aparece uma tia de Gimenez dizendo: "Esse é o papel do Estado, e nós somos muito agradecidos por essa assistência. Muito obrigada". Porém, o vídeo inteiro, de 1 minuto e 40 segundos, conta uma outra história. Nele, é explicado que a família estava retida em Lisboa porque o voo de volta havia sido cancelado, apesar das reservas, e que o grupo estava em "situação caótica [...], sem dinheiro, sem medicação para tratamento, sem absolutamente assistência de nada, porque a situação está muito difícil aqui".

No vídeo integral, o empresário conta que a família se dirigiu à embaixada brasileira em Lisboa e encontrou, "por sorte", um servidor. Ele explicou à coluna que, na primeira vez que a família foi à embaixada, o prédio estava fechado, "não atendia mais aos brasileiros. Simplesmente deixaram uma placa na porta e nós voltamos para casa". Na porta da embaixada, foi colocado um aviso no qual se diz que o atendimento presencial fora suspenso como consequência da crise do novo coronavírus e que a embaixada receberia os pedidos apenas por email e por telefone. No número indicado, contudo, ninguém atendia, segundo o empresário.

A família estava em uma casa alugada. Eles haviam programado a viagem um ano antes, para rever a mãe de Juan. Quando embarcaram para Portugal, no começo de março, havia apenas dois casos suspeitos naquele país. Rapidamente a situação mudou e as passagens de volta foram canceladas pela companhia aérea espanhola Iberia.

Horas depois da primeira tentativa, a família decidiu retornar à embaixada quando então viu um homem se dirigindo ao prédio e conseguiu abordá-lo na rua. Esse servidor acabou facilitando o contato com um funcionário da companhia Azul, em Lisboa, que depois de cinco dias conseguiu encaixar a família em outro voo ao preço total de R$ 25 mil.

"Para agradecer a essa pessoa da embaixada, fizemos um vídeo e enviamos. Nunca nos pediram autorização para ser usado por Bolsonaro, de modo algum. Eu achei que ele [servidor] iria usar o vídeo internamente, não expor isso, não sabia que seríamos expostos. Se não fosse aquele momento de sorte, de a gente pegar aquele momento, a gente iria estar lá até hoje."

A Iberia, segundo o empresário, até o momento não entrou em contato com a família para dizer se e quando eles serão ressarcidos do prejuízo.

Itamaraty

O vídeo postado por Bolsonaro também foi divulgado no canal oficial do Itamaraty no YouTube. O ministério afirmou que os brasileiros que aparecem no vídeo "estavam cientes do seu uso nas mídias sociais do Itamaraty". Gimenez, porém, disse não ter autorizado o compartilhamento por Bolsonaro, em suas redes sociais, e achou que o uso seria apenas interno, no Itamaraty.

O ministério afirmou, na nota à coluna, que "em momento algum foi afirmado que a repatriação dos brasileiros em questão era obra única do Itamaraty". A pasta diz que o vídeo "registra a ajuda da Embaixada na remarcação de passagens em voos cancelados". Mas em nenhum momento isso é mencionado no trecho do vídeo que trata do grupo retido em Portugal.

A coluna ainda não conseguiu contato com a assessoria da Iberia. Foi deixado recado na central de atendimento aos usuários da companhia. Assim que a empresa mantiver contato e enviar informações, a coluna será atualizada.

Leia a íntegra da nota do Itamaraty:

"Informamos que o vídeo em questão foi produzido pelo Ministério das Relações Exteriores. Todos os brasileiros gravados estavam cientes do seu uso nas mídias sociais do Itamaraty, e de que o objetivo da gravação é o de divulgar a operação de repatriação em curso, além de informar aos demais brasileiros em situação de retenção no exterior do trabalho do Itamaraty e dos telefones de contato.

Em momento algum foi afirmado que a repatriação dos brasileiros em questão era obra única do Itamaraty. Como diz o próprio nacional, o vídeo registra a ajuda da Embaixada na remarcação de passagens em voos cancelados. Embora possa parecer tratar-se de operação rotineira, em momento de suspensão de número considerável de voos, a intervenção de representação diplomática muitas vezes configura diferencial decisivo, que permite a resolução da situação.

Ressaltamos que o trabalho de repatriação de nacionais, a cargo do Itamaraty neste momento de grave crise, inclui gama extensa de atividades que vão desde a emissão emergencial de documentos e a intervenção para garantir que brasileiros com passagens compradas em voos cancelados tenham garantido seu direito de embarque em outro voo, até a gestão junto a autoridades locais pela reabertura especial de aeroportos, vias terrestres e espaços aéreos.

Os vídeos dos nacionais publicados pelo Ministério das Relações Exteriores buscam registrar esse trabalho, não apenas como forma de prestar contas à população, mas também de ilustrar aos demais brasileiros ainda retidos no exterior que o governo brasileiro continua trabalhando para trazê-los de volta para casa."

Rubens Valente