PUBLICIDADE
Topo

Moro diz que Bolsonaro pediu saída de conselheira do ministério

Cientista política, Ilona Szabo é também colunista da Folha de S.Paulo - Eduardo Knapp/Folhapress
Cientista política, Ilona Szabo é também colunista da Folha de S.Paulo Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress
Rubens Valente

Rubens Valente é repórter desde 1989 e há 10 anos atua em Brasília. Nasceu no Paraná e trabalhou em órgãos da imprensa de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde se formou em jornalismo na UFMS (Universidade Federal do MS). É autor de "Operação banqueiro" (Geração Editorial, 2014) e "Os fuzis e as flechas - história de sangue e resistência indígena na ditadura militar" (Companhia das Letras, 2017). Recebeu 17 prêmios nacionais e internacionais, incluindo o Prêmio Esso de Reportagem, dois Prêmios de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Jornalismo) e dois Grandes Prêmios Folha.

Colunista do UOL

05/05/2020 16h35Atualizada em 05/05/2020 19h42

O ex-ministro Sergio Moro afirmou em depoimento que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu a demissão da conselheira Ilona Szabó, cientista política, do CNPCP (Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária) do Ministério da Justiça. Ela teve sua nomeação para o órgão revogada em fevereiro de 2019 por decisão de Moro, que acolheu o pedido do presidente, segundo o ex-ministro.

"O presidente, apenas uma vez, solicitou a revogação da nomeação de Ilona Szabó do Conselho Nacional de Política Criminal do Ministério da Justiça, órgão consultivo, e que o declarante [Moro], após relutar, concordou em aceitar a solicitação."

Ilona Szabó, do Instituto Igarapé, havia sido nomeada por Moro como integrante suplente do CNPCP, um órgão consultivo do MJSP (Ministério da Justiça e da Segurança Pública). Ela tem mestrado em estudos de conflito e paz pela Universidade de Uppsala, na Suécia, e é especialista em redução da violência e política de drogas. Sua nomeação teve grande repercussão entre bolsonaristas porque defende o desarmamento da população e havia criticado um recente decreto de Bolsonaro que liberava o uso de armas. Moro revogou a nomeação dias depois.

Na época, contudo, ele não disse que sofrera pressões também de Bolsonaro. A nota divulgada à imprensa pelo ministério dizia o seguinte: "O Ministério da Justiça e Segurança Pública nomeou Ilona Szabó, do Instituto Igarapé, como um dos vinte e seis componentes do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), órgão consultivo do Ministério. A escolha foi motivada pelos relevantes conhecimentos da nomeada na área de segurança pública e igualmente pela notoriedade e qualidade dos serviços prestados pelo Instituto Igarapé. Diante da repercussão negativa em alguns segmentos, optou-se por revogar a nomeação, o que foi previamente comunicado à nomeada e a quem o Ministério respeitosamente apresenta escusas".

O UOL teve acesso à íntegra do depoimento prestado por Moro à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal em Curitiba no último sábado (2).

No depoimento Moro ainda abordou o interesse do presidente em trocar o chefe da PF no Rio de Janeiro, o processo de "fritura" do último diretor-geral da PF, Maurício Valeixo e o episódio do porteiro de seu condomínio na investigação da morte da vereadora Marielle Franco, entre outros temas.

Rubens Valente