PUBLICIDADE
Topo

Rubens Valente

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Juiz cobra do governo federal plano de remoção de imigrantes retidos no AC

Imigrantes acampados na Ponte de Integração conversaram na semana passada com governador do Acre, Gladson Cameli (de jaqueta laranja) - Diego Gurgel/Acre/Divulgação
Imigrantes acampados na Ponte de Integração conversaram na semana passada com governador do Acre, Gladson Cameli (de jaqueta laranja) Imagem: Diego Gurgel/Acre/Divulgação
Rubens Valente

Rubens Valente é repórter desde 1989 e há 10 anos atua em Brasília. Nasceu no Paraná e trabalhou em órgãos da imprensa de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde se formou em jornalismo na UFMS (Universidade Federal do MS). É autor de "Operação banqueiro" (Geração Editorial, 2014) e "Os fuzis e as flechas - história de sangue e resistência indígena na ditadura militar" (Companhia das Letras, 2017). Recebeu 17 prêmios nacionais e internacionais, incluindo o Prêmio Esso de Reportagem, dois Prêmios de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Jornalismo) e dois Grandes Prêmios Folha.

Colunista do UOL

01/03/2021 13h38

O juiz da 2ª Vara Federal Cível e Criminal do Acre, Herley da Luz Brasil, cobrou nesta segunda-feira (1) do governo federal a apresentação, em 48 horas, de um plano de remoção e reassentamento dos imigrantes que estão retidos na fronteira entre o Brasil e o Peru e que fazem um bloqueio da Ponte de Integração, no Acre.

Os imigrantes - cerca de 500, segundo estimativa de organização não governamentais, dos quais 100 vivendo em situação de rua -, muitos dos quais são haitianos, estão retidos em Assis Brasil (AC) porque o Peru fechou suas fronteiras a estrangeiros a fim de tentar controlar a pandemia do coronavírus, que já matou mais de 45 mil pessoas em território peruano.

Na sexta-feira (26), após mobilizar a atenção de oito ministérios, a AGU (Advocacia Geral da União) pediu à Justiça Federal que ordene uma ação policial a fim de retirar à força os imigrantes que estão sobre a ponte que liga Assis Brasil à localidade de Iñapari, no Peru. O governo alega prejuízos econômicos na região com a retenção de caminhões de carga.

Intimados pelo juiz, o MPF (Ministério Público Federal) e a DPU (Defensoria Pública da União) pediram o adiamento da reintegração de posse e sugeriram uma saída negociada com os manifestantes.

Nesta segunda-feira, o juiz determinou que a União informe, num prazo de dois dias: "quais esforços foram envidados pela União para resolver a situação; se já prestou auxílio material aos migrantes que se encontram na fronteira e a previsão de fazê-lo; qual o plano de remoção e reassentamento dos migrantes porá em prática, consultando inclusive o Ministério da Justiça a respeito; sob sua ótica, quais preocupações e cuidados devem ser tomados com os migrantes em situação de vulnerabilidade, antes, durante e após eventual desocupação da ponte, tendo em vista que na petição inicial explicita tão somente preocupações com o transporte e o comércio internacional (menções a questões sanitárias são apenas genéricas)".

O juiz Herley da Luz Brasil também pediu que a União fale a respeito das manifestações do MPF e da AGU.