PUBLICIDADE
Topo

Rubens Valente

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Comandante da FAB diz que sua exoneração foi decisão de Bolsonaro

Rubens Valente

Rubens Valente é repórter desde 1989 e há 10 anos atua em Brasília. Nasceu no Paraná e trabalhou em órgãos da imprensa de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde se formou em jornalismo na UFMS (Universidade Federal do MS). É autor de "Operação banqueiro" (Geração Editorial, 2014) e "Os fuzis e as flechas - história de sangue e resistência indígena na ditadura militar" (Companhia das Letras, 2017). Recebeu 17 prêmios nacionais e internacionais, incluindo o Prêmio Esso de Reportagem, dois Prêmios de Excelência Jornalística da SIP (Sociedade Interamericana de Jornalismo) e dois Grandes Prêmios Folha.

Colunista do UOL

30/03/2021 23h05

Em um vídeo dirigido aos "integrantes do Comando da Aeronáutica" nesta terça-feira (30), o agora ex-comandante, o tenente-brigadeiro do ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, afirmou ter sido informado que a sua saída do cargo foi uma decisão do presidente Jair Bolsonaro.

Na nota distribuída à imprensa nesta terça-feira, o Ministério da Defesa não explicou que a decisão partiu do presidente. A nota disse apenas que a decisão sobre a destituição dos três comandantes das Forças foi "comunicada" em reunião, sem explicar de onde partiu a ordem.

"Na manhã de hoje [30], tomei conhecimento da decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro, de exonerar-me do comando da Força Aérea Brasileira. Recebi essa notícia como um bom soldado, que dedicou 46 anos de sua vida a servir ao seu país", disse o militar no vídeo.

O brigadeiro disse ainda que a FAB (Força Aérea Brasileira) é "uma instituição de Estado". Em nota na segunda-feira (29), o então ministro da Defesa, Fernando Azevedo, que também saiu do cargo, havia dito que preservara as Forças Armadas como "instituições de Estado".

Bermudez disse que seu sentimento, ao sair do cargo, era "de gratidão aos que labutaram ao meu lado para que a Força Aérea, uma instituição de Estado, servisse ao povo brasileiro em todos os seus chamados".

Após descrever o papel da FAB em diversos momentos ao longo do mandato de Bolsonaro, como na crise da pandemia, o tenente-brigadeiro disse que "estamos na proa correta".

"Prezados integrantes da Força Aérea, acreditem na relevância da nossa missão que, balizada pelos inarredáveis preceitos constitucionais, cooperam para a soberania daquilo que nos cabe, o espaço aéreo. Mantenham o ânimo forte. O que nos move é o apoio social e o querer audaz para enfrentar os desafios do presente. Orgulhem-se dessa verdadeira obra em prol da consolidação de um Brasil forte, coeso e soberano."

Na parte dos agradecimentos, Bermudez mencionou "homens e mulheres, militares e civis, que optaram por servir ao Brasil nas asas da Força Aérea Brasileira".