PUBLICIDADE
Topo

PCdoB discute se livrar da palavra "comunista" depois das eleições

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), tenta se tornar cabeça de chapa numa ampla aliança que incluiria até mesmo o PT do ex-presidente Lula - Ricardo Stuckert/Instituto Lula
O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), tenta se tornar cabeça de chapa numa ampla aliança que incluiria até mesmo o PT do ex-presidente Lula Imagem: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

12/02/2020 09h11

Dissidência do antigo Partido Comunista Brasileiro (PCB) criado em 25 de março de 1922, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) tem reivindicado o papel de verdadeiro herdeiro do comunismo centenário no Brasil.

Quer dizer, vinha reivindicando. Porque, nas eleições presidenciais de 2022 quando estará com 100 anos completos, o PCdoB já não deverá mais carregar o comunismo em seu nome ou seu ideário.

A cúpula do partido pretende discutir de maneira mais aberta, logo após as eleições municipais de outubro, a mudança no nome a sigla do PCdoB.

Não há um nome escolhido ainda. A ideia é que ele surja ao longo do processo de discussão nas diversas instâncias do partido. Mas já é consenso no comando partidário que as palavras "comunismo" e "comunista" devem ser evitadas.

Pesquisas internas do PCdoB revelaram que hoje essas são palavras desgastadas e que remetem a uma ideia antiga e autoritária, o que acaba espantando eleitores.

Os antigos comunistas agora defendem, além de alianças amplas, enterrar propostas autoritárias que fizeram parte do marxismo original.

A ideia é deixar que o bolsonarismo fique com o monopólio das propostas autoritárias para poder carimbar os aliados do presidente Jair Bolsonaro de fascistas, sem risco de contra-ataques nesse campo.

Além disso, o PCdoB julga que hoje tem um possível candidato a presidente em 2022, o governador do Maranhão, Flávio Dino. Ele defende a formação de uma ampla frente partidária para derrotar o Bolsonaro e/ou o ex-juiz Sérgio Moro. A filiação a uma legenda com a marca de "comunista" não ajuda Dino a conquistar a cabeça da chapa nessa aliança.

O problema é que a discussão sobre mudança de nome deve ser conduzida com muito cuidado para não espantar os atuais integrantes da legenda.

Afinal, mesmo querendo se renovar, o Partido Comunista do Brasil é uma legenda secular, cuja tradição não pode simplesmente ser apagada. Para o bem e para o mal.