Topo

Tales Faria


Bolsonaro mantém Guedes mas marca tempo para ministro "mostrar serviço"

Como se diz no futebol, o ministro da Economia, Paulo Guedes, "está prestigiado" pelo presidente Jair Bolsonaro Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino
Tales Faria

Colunista do UOL

19/02/2020 18h12

O "prazo de validade" do ministro da Economia, Paulo Guedes, como superministro vence em julho. O blog apurou que é isso que o presidente Jair Bolsonaro tem dito a seus auxiliares mais próximos.

Por que julho? Porque no segundo semestre as campanhas para as eleições municipais estarão a pleno vapor. Se até julho a economia continuar desaquecida, como atualmente, dificilmente criará um clima de otimismo até outubro capaz de eleger um grande número de aliados do presidente pelo país.

A partir de julho, se a economia não tiver dado sinais de que, enfim, vai deslanchar, Bolsonaro pretende intervir mais fortemente na política econômica. Isso só será possível tirando os poderes de superministro de Paulo Guedes.

O problema é que o ministro também já deixou claro que não aceitará ter seu superministério esvaziado.

Numa das reuniões com o ministro, no mês passado, o presidente da República chegou a lembrar -em "tom de camaradagem", como se diz na caserna- que Guedes havia lhe prometido, durante a campanha eleitoral de 2018, que em 2020 haveria uma grande retomada do crescimento no país.

Bolsonaro deixa claro nas conversas com auxialiares que nunca foi um defensor do liberalismo econômico, apenas adotou as teses de Guedes porque foi convencido pelo ministro de que elas dariam certo e lhe trariam frutos eleitorais.

De fato, o liberalismo ajudou Bolsonaro a conquistar apoio do empresariado na campanha de 2018. Isso foi decisivo para sua eleição. Mas agora o presidente tem recebido reclamações de empresários quanto ao ritmo da economia. E são reclamações cada vez maiores.

O descontentamento do Planalto é percebido pelo ministro, que sabe da propensão do presidente pelo intervencionismo.

Assim como prometeu a Bolsonaro trazer de volta um crescimento econômico robusto, Guedes também considera ter recebido a promessa de que seria o "Posto Ipiranga" da economia. Tudo, absolutamente tudo, passaria por ele. Como tem passado desde o início do governo.

Mas se o presidente resolver esvaziar seus superpoderes, Paulo Guedes também não terá interesse em ficar no cargo.

Foi esse o recado que ele deu ao "pessoal do Palácio", como chama os ministros com gabinete próximo do presidente, hoje todos militares.

O recado foi dado de forma mais enfática nesta terça-feira, quando, irritado, foi chamado às pressas ao Palácio para rediscutir o programa "Brasil Mais" de incentivo às pequenas e médias empresas.

Haveria uma solenidade para anúncio do programa, que foi cancelada, mas o decreto de criação acabou sendo assinado logo após a reunião do ministro com o presidente.

Na solenidade de posse de Onyx Lorenzoni como ministro da Cidadania, ontem mesmo no Palácio, Bolsonaro chegou a declarar, sem ser perguntado:

"O Paulo Guedes não pediu para sair. Aliás, eu tenho certeza de que, assim como ele é um dos poucos que eu conheci antes das eleições, ele vai continuar conosco até o nosso último dia."

No futebol, quando um técnico está em crise, logo o presidente do clube vem a público e declara: "ele está prestigiado."

Pois é, Paulo Guedes "está prestigiado", mas com "prazo de validade".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolsonaro mantém Guedes mas marca tempo para ministro "mostrar serviço" - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Newsletters Resumo do Dia

Para começar e terminar o dia bem informado.

Tales Faria