PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

Salles segue estratégia de Bolsonaro contra Rodrigo Maia

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

29/10/2020 13h10

Sabe aquela máxima do Nunes, ex-atacante campeão do Mundo pelo Flamengo? Ele explicava seus dribles assim: "Fiz que fui, não fui, e acabei fondo". É como Bolsonaro está jogando na política.

Seus ministros seguem o chefe e fazem o mesmo. Como o Ricardo Salles nas brigas com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e com o general Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo,

A última do Bolsonaro foi essa história da privatização das Unidades Básicas de Saúde. Bolsonaro soltou o decreto autorizando estudos. Fez que foi. Mas não foi, porque suspendeu o decreto.
Só que, como o Nunes, ele pensa assim: "acabarei fondo!".

O recuo ocorreu simplesmente porque este não era o momento de tratar de assuntos impopulares.
Como eu já disse aqui, Bolsonaro acertou com o centrão de guardar o saquinho de maldades para depois das eleições municipais.

É quando tentarão votar o tal ajuste fiscal proposto por Paulo Guedes: cortes de salários dos servidores, cortes de benefícios da Previdência, privatizações, et cetera.

A mesma, digamos, estratégia de idas e vindas é seguida pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Primeiro ele chamou de Maria Fofoca o general Ramos.

Foi.

Depois recuou, pediu desculpas. Mas já tinha ido.

Bolsonaro, literalmente passou a mão na cabeça do Salles na frente do general. Depois, fez que deu uma bronca nos dois.

Mas não deu.

Agora Salles repetiu a dose com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que havia criticado o Ministério do Meio Ambiente.

Na sua conta no Twitter, chamou o presidente da Câmara de Nhônho, aquele gordinho do seriado do Chavez.

Foi. Depois recuou.

Disse que não foi ele quem publicou aquilo na sua conta. Fez que não foi. Mas o fato é que acabou, digamos,"fondo!".

Rodrigo Maia, aliás, que se cuide. Hoje, ele o presidente da República parecem estar se dando bem como nunca.

Afinal, para Bolsonaro, este não é o momento de brigar com o presidente da Câmara. Depois das eleições municipais, o governo vai precisar acelerar a votação de seus projetos no Congresso, e é melhor manter as aparências por enquanto.

Bolsonaro e os bolsonaristas chegaram a fingir que iam para essa batalha no início do ano. Mas não foram.

O recuo foi o suficiente para Maia também recolher suas armas. Porque, para ele, também não é o momento de brigar. Maia joga com a possibilidade de permanecer no comando da Câmara, e, para isso, tenta não bater de frente com toda a base governista no Congresso.

Mas chegará o momento da eleição do presidente da Câmara. Está marcada para fevereiro. A campanha esquentará em dezembro e janeiro.

Ali, imaginam os bolsonaristas e os líderes do centrão, se tudo der certo para eles, a base do governo, sob o comando de Bolsonaro, acabará... "fondo".

Buscará eleger um nome mais confiável para o Planalto. Pode ser o líder do PP, Artur Lira, pode ser a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que é do mesmo partido de Rodrigo Maia. Pode ser o presidente do PR, deputado Marcos Pereira, que é da Igreja Universal do Reino de Deus.

Mais uma vez, Bolsonaro terá feito que foi, não foi e acabará indo.

Só não sei se dá certo repetir o mesmo drible o tempo todo. Afinal, os adversários não são burros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL