PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Os chefes do Congresso anunciaram que comandarão a política do país

Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) apresentam carta compromisso dos novos comandantes do Congresso - Marcos Brandão - Senado Federal
Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) apresentam carta compromisso dos novos comandantes do Congresso Imagem: Marcos Brandão - Senado Federal
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

03/02/2021 10h10

Nunca antes na história do Brasil os presidentes da Câmara e do Senado assumiram seus postos assinando uma Carta compromisso em que, na prática, anunciaram que o Congresso comandará a política do país. Foi o que Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) fizeram na manhã desta quarta-feira (3).

Não foi uma declaração de guerra. Muito pelo contrário, foi um anúncio de boa vontade em relação aos poderes Judiciário e Executivo. Mas também foi um recado de independência enviado ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro da Economia, Paulo Guedes: vocês não vão comandar a política do país.

O senador e o deputado assinaram o documento em público, dizendo que pretendem trabalhar juntos e que o combate à pandemia será a absoluta prioridade do Congresso. Ou seja, não pretendem seguir com o descaso que Bolsonaro tem demonstrado em relação ao assunto.

Também disseram que o Congresso dará prioridade a algum tipo de auxílio econômico emergencial aos mais pobres durante a pandemia. Algo em substituição ou continuidade ao auxílio que funcionou em 2020.

Não que Guedes se coloque publicamente contra o auxílio. Mas esse nível de prioridade reforçado pelos dois comandantes do Congresso afasta qualquer hipótese de deixar o assunto abandonado.

Em contrapartida, os dois acenaram com a bandeira branca para Guedes, com o anúncio de que também pretendem priorizar o ajuste fiscal. Sabe-se lá como, mas já disseram que partirão para a aprovação do Orçamento de 2021, que ainda não saiu do papel.

Enfim, os dois deram uma primeira demonstração de habilidade política: acenaram para a oposição com a independência do Congresso e, para o governo, com boa vontade. Mas deixaram ambos os lados desconfiados.

E saíram dali para afagar Bolsonaro e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. É esperar para ver como fica.