PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Recusa de Simone e Bivar obrigou Doria a cancelar jantar da terceira via

Luciano Bivar (União Brasil), Simone Tebet (MDB) e João Doria (PSDB) - Foto: Montagem/Agência Brasil/Senado
Luciano Bivar (União Brasil), Simone Tebet (MDB) e João Doria (PSDB) Imagem: Foto: Montagem/Agência Brasil/Senado
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

25/04/2022 10h53

Os pré-candidatos a presidente da República pelo MDB, Simone Tebet, e pelo União Brasil, Luciano Bivar, não queriam se encontrar neste momento com o ex-governador de São Paulo João Doria. Simples assim.

Foi por este motivo que não se realizará o jantar na casa de Doria marcado para esta segunda-feira entre os pré-candidatos do autoproclamado centro democrático (MDB, PSDB, União Brasil e Cidadania).

Bivar disse aos líderes de seu partido no Congresso que havia informado aos demais integrantes do grupo, já na terça-feira, 19, que não iria. Disse que argumentou com os emissários de Doria que já estava com "uma viagem marcada", mas não propôs nova agenda.

Simone Tebet, por sua vez, nunca confirmou presença. Disse a aliados que só compareceria se Bivar fosse.

Para os aliados, ambos revelam o real motivo de não aceitarem o encontro:

  1. o jantar na casa de Doria seria para ele comandar o evento e alimentar versão de que é o mais provável indicado a candidato único do grupo para o PLanalto.
  2. o encontro obrigaria o MDB e o União a dizer que, neste momento, não escolheriam o tucano devido a suas taxas de rejeição nas pesquisas de opinião sobre a eleição.

Para MDB e União Brasil, o ideal por enquanto é esperar que Doria se convença de que não tem o apoio do grupo. Esse apoio só ocorrerá se, até o dia 18 de maio - data que marcaram para definição do candidato -, Doria deslanchar nas pesquisas eleitorais e desabar a sua taxa de rejeição.

Assessoria do ex-governador divulgou a seguinte nota sobre o fato de que o jantar ter sido desmarcado:

"O jantar que reuniria dirigentes e candidatos dos partidos que compõem a terceira via, programado para esta segunda-feira, 25 de abril, em São Paulo, foi adiado.

Apesar da presença confirmada dos presidentes partidários Bruno Araújo (PSDB), Baleia Rossi (MDB), Roberto Freire (Cidadania) e Antônio Rueda (vice-presidente do União Brasil), a reunião será remarcada. A impossibilidade de participação dos pré-candidatos Simone Tebet (MDB) e Luciano Bivar (União Brasil) pede o adiamento do encontro.

Nova reunião será agendada para possibilitar a presença de todos (PSDB, MDB, União Brasil e Cidadania).

A pauta prevista é a discussão de critérios e caminhos para um projeto único de esperança para o Brasil e para os brasileiros.

De acordo com João Doria, pré-candidato pelo PSDB, 'separados seremos derrotados e isso só interessa aos extremistas'. E completou: 'O momento exige união, serenidade, equilíbrio e convergência'."