PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Para o governo, Petrobras reajustará preços novamente antes das eleições

26.abr.22 - Os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), e da República, Jair Bolsonaro (PL), eme evento em Brasilia - EVARISTO SA / AFP
26.abr.22 - Os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), e da República, Jair Bolsonaro (PL), eme evento em Brasilia Imagem: EVARISTO SA / AFP
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

17/06/2022 11h57

O presidente Jair Bolsonaro cobrou do presidente da Câmara, Artur Lira (PP-AL), e do centrão uma resposta rápida ao último aumento do preço dos combustíveis pela Petrobras. Lira já afirmou em entrevista à GloboNews que irá reunir os líderes para estabelecer uma forma de controlar a margem de lucro da estatal.

Bolsonaro resolveu declarar guerra à petroleira não só por causa deste último aumento dos preços dos combustíveis para os distribuidores, mas porque está convencido de que a atuação da Petrobras terá reflexos contra sua reeleição.

A avaliação de técnicos do Ministério das Minas e Energia, passada ao Planalto, dá conta de que a estatal terá que reajustar, pelo menos mais uma vez até o primeiro turno das eleições, em 2 de outubro, os preços da gasolina e do diesel para as distribuidoras.

O preço médio de venda de gasolina para as distribuidoras foi reajustado em 5,18% a partir deste sábado, 18. Está longe de cobrir a defasagem em relação ao preço do produto cobrado no Golfo do México (EUA) e que pesa para os importadores brasileiros, que era de 14% até esta quinta-feira, 16.

No caso do diesel, o reajuste da Petrobras foi de 14,26%, quando a defasagem em relação ao preço médio no Golfo do México era de 18%.

O problema é que o diesel não era reajustado há 39 dias (desde 10 de maio). A última alta no preço da gasolina ocorreu há mais tempo ainda, 99 dias (11 de março). Ou seja, como faltarão 105 dias para as eleições de 2 de outubro, é praticamente impossível que não haja outro reajuste até lá.

O preço do petróleo não para de subir no mercado internacional. Tem operado acima dos US$ 120 o barril. Também o dólar se mantém em alta, ultrapassando os R$ 5. Ambos sem perspectivas de quedas, por causa da guerra da Ucrânia, ainda com risco de desabastecimento de diesel.