PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Thaís Oyama


A tragédia mais silenciosa do coronavírus

Sem abraços e sem adeus - Getty Images
Sem abraços e sem adeus Imagem: Getty Images
Thaís Oyama Thais Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Thais Oyama

Colunista do UOL

20/03/2020 09h24

Uma amiga relatou um velório a que foi ontem. O homem havia morrido de infarto fulminante, aos 42 anos. A família ficou em dúvida se podia velar o corpo, se a vigilância sanitária permitiria, se havia alguma nova norma sobre o assunto (há: em São Paulo, a prefeitura determinou que as salas funerárias não podem abrigar mais de dez pessoas por vez). Decidiu-se por um velório modesto, reservado, com todas as manifestações físicas de solidariedade e pesar vetadas, para evitar contaminações.

O homem morto deixou mulher, filhos e uma mãe idosa, além de diabética e cardíaca. Ela passou a noite blindada por parentes de contatos que poderiam contaminá-la, fazê-la adoecer e morrer. Isolada em um canto da sala tomada por coroas de flores, fitava o caixão do filho com um olhar perdido e atônito. Sozinha. Nada de abraços para ela.

Na China, os parentes das vítimas que sucumbiram ao vírus têm de cremá-las imediatamente. O mesmo ocorre na Itália, onde há fila para a prática. Se o doente morreu no hospital, seus familiares o viram pela última vez quando ele deu entrada no pronto-socorro, já que toda visita aos pacientes de Covid-19 está proibida.

O coronavírus inaugurou a morte sem abraços nem adeus.

Thaís Oyama