PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

O chanceler Ernesto Araújo não teme o ridículo

O chanceler Ernesto Araújo: os globalistas vem aí  - Alan Santos/PR
O chanceler Ernesto Araújo: os globalistas vem aí Imagem: Alan Santos/PR
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

22/04/2020 22h53

A OMS preferiu não responder à acusação do chanceler Ernesto Araújo de que ela quer usar a pandemia de coronavírus para implementar o comunismo no mundo e assim confinar os terráqueos num grande campo de concentração.

O texto do chanceler, publicado em seu blog pessoal e intitulado "Chegou o Comunavírus", ecoa a tese "antiglobalista" amplamente disseminada no Brasil pelo professor de filosofia online Olavo de Carvalho, atualmente em baixa no governo e mais preocupado em vender suas mercadorias (na Semana Santa, ele anunciava no Twitter um filme do qual participou e que trata da "investigação filosófica sobre o fenômeno do milagre" - estava com desconto e era uma "oferta irrecusável", escreveu).

Segundo os antiglobalistas, primos-irmãos dos terraplanistas, organizações multilaterais como a ONU, à qual está subordinada a OMS, trabalham em prol de uma conspiração mundial destinada a minar a soberania dos povos, sua cultura e sua religião. Tal conspiração contaria com a cumplicidade de arquibilionários como George Soros, que usariam a filantropia como disfarce para suas intenções inconfessáveis (controlar a ONU e demais entidades multilaterais para, a partir delas, dominar o mundo) e de forças do "marxismo cultural", incluídas aí a China de Xi Jinping e teóricos marxistas como o sloveno Slavoj Zizek - todos empenhados em erodir os pilares da civilização ocidental de matriz judaico-cristã: Deus, a nação e a família.

No palavroso texto que publicou, o ministro das Relações Exteriores diz que o protagonismo assumido pela OMS na pandemia seria o primeiro passo para fortalecer outros órgãos supranacionais interessados na "construção da sociedade comunista planetária". O "comunavírus", pontifica Ernesto Araújo, é uma "imensa oportunidade de construir uma nova ordem mundial sem nações e sem liberdade".

O silêncio constrangido foi a merecida resposta da OMS ao artigo do chanceler.

Alguém precisa lembrar ao ministro que o comunismo, felizmente, só existe na Coreia do Norte, nos centros acadêmicos de algumas faculdades de ciências sociais e na retórica de políticos que precisam urgentemente atualizar seus alvos sob pena de sucumbir ao ridículo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.