PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Thaís Oyama


Governo Bolsonaro começa a dar adeus aos coronéis

Exército Brasileiro: a cotovelada do Centrão é mais forte - Marcelo Justo/UOL
Exército Brasileiro: a cotovelada do Centrão é mais forte Imagem: Marcelo Justo/UOL
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política da rádio Jovem Pan. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

24/06/2020 18h57

Dois corpos não ocupam o mesmo espaço. E no caso de haver disputa, ganha o que tiver a cotovelada mais forte.

Logo no início do governo Bolsonaro, um pelotão de coronéis da reserva do Exército foi chamado para ocupar postos do segundo e terceiro escalão da administração federal.

A ideia era aproveitar a boa reputação dos militares para "moralizar" a nova gestão e, sobretudo, "despetizá-la", como chegou a dizer o ministro Ônyx Lorenzoni.

A "convocação" dos militares foi conveniente para o governo e também para os coronéis. Um cargo comissionado na categoria DAS 4, onde está a maioria desses oficiais, corresponde à faixa salarial de 10 mil reais - nada mal para quem já goza de uma respeitável aposentadoria conquistada em torno dos 50 anos de idade.

Ocorre que, a partir do que se convencionou chamar de "o rearranjo da base do governo no Congresso" — também conhecido como a entrega de Bolsonaro ao "toma-lá-dá-cá"—foi preciso cavar espaço para acomodar os novos amigos do Centrão.

E assim, os coronéis do governo começaram a ser chamados por seus superiores para ouvir um curto e grosso "na rota" —o que pode ser traduzido da linguagem da caserna como: "Rua".

Isso aconteceu na semana passada com militares lotados na Secretaria Nacional de Segurança, subordinada ao Ministério da Justiça, e também na secretaria de Esportes, subordinada ao Ministério da Cidadania.

Mas os coronéis estão espalhados também pela Petrobras, Itaipu, Correios e Incra, entre outras áreas agora vorazmente cobiçadas — e não apenas pelos novos amigos do presidente.

Diante do "rearranjo" com o Centrão, siglas que até agora apoiavam o governo de graça passaram a exigir um lugar ao sol. Como definiu em singelas palavras o deputado Paulo Eduardo Martins, do PSC, que junto com a sua bancada, esteve hoje com Bolsonaro: "Como o governo abriu diálogo com outras bancadas, era hora de dar carinho a um velho amigo."

Agora é assim: para os amigos, "carinho".

Para os coronéis, na rota.

Thaís Oyama