PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Pacheco, presidente do Senado, anunciará que irá concorrer à Presidência

Rodrigo Pacheco: candidato à terceira via, o presidente do Senado não passa pelo teste da buchada, diz empresário  - Roque de Sá/Agência Senado
Rodrigo Pacheco: candidato à terceira via, o presidente do Senado não passa pelo teste da buchada, diz empresário Imagem: Roque de Sá/Agência Senado
Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

12/07/2021 11h23Atualizada em 12/07/2021 14h48

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já se decidiu: irá mesmo se filiar ao PSD e concorrer à Presidência da República pela sigla presidida por Gilberto Kassab.

O PSD pretende apresentar o senador como a primeira opção de "terceira via" nas eleições de 2022, atropelando o grupo do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que desde maio do ano passado vem tentando costurar um acordo entre partidos para a construção de uma alternativa à polarização entre o ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo lideranças do Congresso, Pacheco e Kassab já apertaram as mãos e o anúncio oficial da filiação e pré-candidatura do presidente do Senado será feito tão logo o PSD conclua a montagem de seus palanques nos estados.

Para isso, o partido aguarda apenas o OK de Geraldo Alckmin. O futuro ex-tucano irá oficializar em breve a sua saída do PSDB para concorrer ao governo de São Paulo pelo PSD.

A sigla já fechou outros três palanques em estados importantes. No Paraná, irá apostar na reeleição para governador de Ratinho Júnior; em Minas Gerais, lançará o atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil; e no Rio de Janeiro, concorrerá com o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, apoiado pelo prefeito Eduardo Paes, recém filiado ao partido. São Paulo fechará o circuito.

Rodrigo Pacheco é visto como a quintessência do "político mineiro", embora tenha nascido em Rondônia. Eleito presidente do Senado em janeiro com o apoio de bolsonaristas e petistas, era considerado um aliado pelo Palácio do Planalto até abril, quando autorizou a criação da CPI da Covid antes de o plenário do Supremo Tribunal Federal decidir pela medida. O movimento antecipado enfureceu Bolsonaro e, desde então, Pacheco vem se distanciando do governo.

Na sexta-feira, o senador convocou uma coletiva de imprensa para declarar que a realização das eleições no Brasil é "inegociável". No dia anterior, Bolsonaro havia mais uma vez sugerido que o pleito de 2022 pode não ocorrer se não houver voto impresso. "Não podemos admitir qualquer tipo de fala, de ato, de menção, que seja um atentando à democracia ou que seja um retrocesso", afirmou o presidente do Senado.

Os planos de Pacheco, segundo lideranças do PSD e do Congresso, são de "correr virtualmente o país" a partir da oficialização de sua candidatura à Presidência. Segundo uma dessas lideranças, o senador não precisará se afastar de Brasília para dar a largada da pré-campanha.

O fato de Pacheco, de 44 anos, ter construído sua carreira política em Minas, o segundo maior colégio eleitoral do país, é visto como um trunfo. Outros predicados do senador, na visão de empresários recentemente apresentados a ele, seriam a sua "moderação" e as convicções liberais.

Um desses empresários observou, no entanto, que o perfil de "político de gabinete" deve dificultar a penetração do nome de Pacheco no eleitorado mais popular. "No teste da buchada de bode eu duvido que ele passe", afirmou, referindo-se ao prato de regiões do Nordeste que todo candidato em campanha tem obrigatoriamente de experimentar, e gostar.

(Após a publicação deste texto, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, divulgou a seguinte nota: "Não discutirei agora o processo eleitoral de 2022. Meu compromisso é com a estabilidade do país, e isso exige foco nos muitos problemas que ainda temos em 2021".)