PUBLICIDADE
Topo

Thaís Oyama

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ala política aposta na permanência de Paulo Guedes

Thaís Oyama

Thaís Oyama é comentarista política. Foi repórter, editora e redatora-chefe da revista VEJA, com passagens pela sucursal de Brasília da TV Globo, pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S Paulo, entre outros veículos. É autora de "Tormenta - O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos" (Companhia das Letras, 2020) e de "A arte de entrevistar bem" (Contexto, 2008).

Colunista do UOL

22/10/2021 13h10

Paulo Guedes "curvou-se à compreensão de que não adianta manter um dogma liberal e perder a eleição". A afirmação é de um ministro da ala política do governo, segundo quem, o titular da economia não pedirá demissão e nem será demitido.

O auxiliar de Bolsonaro faz parte da tropa que tem municiado o presidente de explicações para defender o rompimento do teto de gastos a fim de viabilizar um Auxílio Brasil de R$ 400.

Os principais argumentos são de que a excepcionalidade da pandemia e suas sequelas sociais justificam a extrapolação fiscal; de que "todos os presidentes engendraram alguma manobra heterodoxa para ganhar a eleição" (citados como exemplos: Fernando Henrique Cardoso, que segurou o câmbio no final do primeiro mandato, e Dilma Rousseff, que baixou à força as tarifas elétricas antes da reeleição); e de que o derretimento da Bolsa e a alta do dólar não passam de um "teste de estresse" perpetrado por forças econômicas e políticas convencidas de que atacar Bolsonaro é a melhor forma de abrir uma terceira via e livrar-se do "perigo Lula" — tese, aliás, defendida hoje pelo ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Guedes, afirmou o ministro, concorda com a tese e com a convicção da ala política de que o governo deve admitir "uma flexibilidade fiscal com limites". O titular da economia, garante ele, permanece, portanto, onde está.

Senão de pé, ao menos, de joelhos.