PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Fala de Cid Gomes é tirada de contexto e atribuída a Haddad

Cid Gomes (esq.) e Fernando Haddad (dir.) - Arte/UOL
Cid Gomes (esq.) e Fernando Haddad (dir.) Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo

20/09/2018 19h12

Um post enganoso publicado no Facebook sugere que o homem que aparece em um vídeo afirmando que "desvio de dinheiro é natural e intrínseco ao serviço público" é o candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad. A informação não é verdadeira. O político na imagem -- visualizada mais de duas milhões de vezes -- é Cid Gomes (PDT), ex-governador do Ceará e irmão do candidato Ciro Gomes (PDT).

A descrição da publicação diz: “Olha a visão do candidato de Lula (Haddad), o cara que vocês irão votar a pedido do Lula, a mesma coisa de Dilma e Temer, ou talvez pior ainda”.

No entanto, a declaração foi dada por Cid Gomes em 29 de setembro de 2014 em defesa de Camilo Santana (PT), que na época era candidato a governador do Ceará e fora citado em um escândalo relacionado a desvio de verbas destinadas à construção de sanitários para famílias carentes no estado.

Santana, sucessor e aliado de Cid, foi secretário de Cidades no governo do pedetista quando o caso veio à tona. Ele sempre negou irregularidades e disse que suas contas foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado.

“Desde que existiu o dinheiro, existe quem procure roubar o dinheiro (sic). A diferença entre um governo sério e um governo conivente, é que o governo sério, quando descobre, pune. E foi o que o Camilo fez quando assumiu a secretaria [de Cidades] e viu que tinha um escândalo”, afirmou Cid, no vídeo original, após se referir à “normalidade” dos desvios.

O vídeo do post enganoso foi assistido mais de 2,8 milhões de vezes e compartilhado 159 mil vezes desde que foi publicado, em 1º de setembro.

No último 8 de agosto, o projeto Comprova mostrou que outra frase, também atribuída a Cid Gomes, foi falsamente relacionada ao candidato Geraldo Alckmin (PSDB).

O material foi verificado pela agência “AFP”, pela rádio “BandNews FM”, pela “Gazeta Online” e pelo jornal “O Povo”, além do UOL, da “Folha de S.Paulo” e do “Jornal do Commercio”, todos integrantes do Comprova.

O Comprova é um projeto integrado por 24 veículos de imprensa brasileiros que descobre, investiga e explica rumores, conteúdo forjado e táticas de manipulação associados a políticas públicas. Envie sua pergunta ou denúncia de boato pelo WhatsApp 11 97795 0022.

UOL Confere