Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


Brasil não investe 70% dos recursos para pesquisas em estudos sobre gênero

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/05/2019 04h00

Uma mensagem que circula pela internet acusa falta de pluralidade nos investimentos em pesquisa no Brasil. Segundo o texto, que viralizou no Facebook na última semana, o país aloca cerca de 70% dos recursos em pesquisas sobre "gênero".

"O novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, é críticao do domínio ideológico nas universidades, e não sem razão. Estudo coordenado por Marcelo Hermes, cientista de renome internacional, indica que o 'pensamento único' fez regredir a pesquisa no país. Cerca de 70% dos recursos bancam apenas pesquisas de gênero em ciências sociais", afirma a corrente.

FALSO: Pesquisa citada não existe

O texto traz ainda críticas à maneira como órgãos como o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MICTIC), escolhe seus projetos. Segundo o texto, há "preguiça e oportunismo", além de não estimular a pluralidade dos projetos.
A corrente sai de uma premissa inventada. A pesquisa citada pelo texto não só não existe como dados não batem com a realidade de investimento público em estudos no Brasil.

Ao UOL, o professor-doutor Marcelo Hermes Lima, do Departamento de Biologia Celular da UnB (Universidade de Brasília) informou que nunca fez pesquisa sobre este tema nem concedeu entrevista sobre essa temática.

O professor, no entanto, é crítico à produção científica no Brasil, a qual chamou recentemente de cara, inofensiva e problemática.

FALSO: Ciências sociais não chegam nem perto de 70% de investimento público

A pesquisa não só é falsa como a informação não tem base alguma. Nenhuma área de estudo no Brasil chega perto de atingir os 70% de investimentos divulgado pela corrente, de acordo com números dos dois principais fomentadores públicos de pesquisa no Brasil, o CNPq e o Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Ao UOL, os dois institutos explicaram que "gênero" é um tema interdisciplinar e pode ser estudado em diferentes áreas, mas, como os números indicam, não existe segmento tão hegemônico. Pelo contrário: investimentos indicam que há, sim, pluralidade no incentivo à pesquisa no Brasil.

Em 2018, a área Ciências Sociais Aplicadas, citada no texto, foi a sétima a receber mais incentivos do CNPq, com investimento de quase R$ 64 milhões. Números enviados ao UOL mostram que este valor representa apenas 5,6% dos R$ 1,134 bilhão aplicados em pesquisas.

Outra área em que a pesquisa poderia correr é a de Ciências Humanas, esta em quinto no ranking de investimentos. Com alocação de R$ 124 milhões (10,9% do total).
Ciências Exatas e da Terra foi a área com mais investimento (R$ 227 milhões), seguida por Engenharias (R$ 196,5 milhões), Ciências Biológicas (R$ 182 milhões) e Ciências Agrárias (R$ 152 milhões). Ainda assim, nenhuma delas passa de 20% do total.

Cenário parecido se dá no Capes, ligado ao Ministério da Educação (MEC). Ciências Humanas é a área com maior número de bolsas de mestrado e doutorado concedidas pela Diretoria de Programas e Bolsas no País (DPB), mas participação se dá em cerca de 14% do todo.

Das 92 mil bolsas concedidas em 2018, 12.970 foram para a área. Quantidade próxima aos dois outros principais segmentos a receberem investimentos: Ciências da Saúde (12.508) e Ciências Agrárias (12.147).

Já a área de Ciências Sociais teve a destinação de 7.704 bolsas, equivalente a pouco mais de 8% do total.

O CNPq, por sua vez, diz estimular o desenvolvimento das mulheres nas ciências. Em março deste ano, no Dia internacional da Mulher, o instituto promoveu um projeto de desenvolvimento científico entre estudantes do ensino médio de 300 escolas da rede pública espalhadas pelo Brasil. MCTIC e MEC investiram R$ 6 milhões na iniciativa.

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Mais UOL Confere