PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus não foi criado em laboratório do Partido Comunista da China

UOL Confere: Coronavírus não foi criado em laboratório chinês - Arte UOL
UOL Confere: Coronavírus não foi criado em laboratório chinês Imagem: Arte UOL

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

30/03/2020 20h39

Circula nas redes sociais uma publicação afirmando que o novo coronavírus foi criado em um laboratório ligado ao Partido Comunista da China. A informação, no entanto, não tem comprovação científica.

O artigo, assinado por Oswaldo Eustáquio e veiculado no portal Agora Paraná, teve mais de 8 mil de compartilhamentos no Facebook e utiliza como "base" um vídeo de 2015 da emissora italiana Rai informando que cientistas chineses estavam testando a reação de um vírus em animais.

O ex-vice-premiê italiano Matteo Salvini (do Liga, de extrema-direita) republicou o vídeo. "Coronavírus foi criado em laboratório ligado ao partido comunista da China em 2015, revela vídeo de TV italiana", diz o título do texto publicado no Agora Paraná.

Não há qualquer comprovação científica de que o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, tenha sido criado em laboratório; pelo contrário, um estudo realizado por pesquisadores do Scripps Research Institute e publicado na revista especializada Nature Medicine mostrou que o vírus surgiu de mutações na natureza.

Os pesquisadores analisaram o genoma do vírus e chegaram à conclusão de que, provavelmente, ele é resultado da seleção natural.

"Nossas análises mostram claramente que o SARS-CoV-2 não é uma construção de laboratório ou um vírus propositadamente manipulado", afirmam os pesquisadores Kristian G. Andersen, Andrew Rambaut, W. Ian Lipkin, Edward C. Holmes e Robert F. Garry.

Eles analisaram as sequências genéticas do novo coronavírus e, tendo como base a complexidade do vírus, concluíram que não há tecnologia existente para criar algo do gênero em laboratório.

A tese falsa chegou a ser replicada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, refletindo em uma crise diplomática com a China.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), renomado órgão brasileiro de pesquisa na área da saúde publica, já havia se pronunciado em relação à teoria de que o novo coronavírus foi criado em laboratório.

"Essa informação é falsa. Não há nenhum registro científico que indique essa semelhança e muito menos que o vírus foi criado em laboratório. Um estudo publicado na renomada revista Lancet fez uma descrição de dez sequências genéticas do novo coronavírus que demonstrou uma similaridade com o vírus SARs (COV), tendo o morcego como hospedeiro original e como hospedeiro intermediário animais do mercado de Wuhan", diz a Fiocruz em seu site.

Um dia depois de ter publicado o texto, o Agora Paraná divulgou outra publicação com informações falsas, desta vez com o título "Proteína SHC014 somada a base do SARS criou versão híbrida de Coronavírus em laboratório da China capaz de infectar células humanas". No texto, o colunista Oswaldo Eustáquio reafirma que o novo coronavírus foi criado em laboratório.

Em 2015, de fato, a revista científica Nature publicou o artigo "Vírus de morcego projetado gera debate sobre pesquisas arriscadas", demonstrando receio com o tipo de pesquisa que estava sendo realizada naquele momento na China.

"Um experimento que criou uma versão híbrida de um coronavírus de morcego — relacionado ao vírus que causa a SARS (síndrome respiratória aguda grave) — desencadeou um debate renovado sobre se vale a pena arriscar variantes de vírus projetados em laboratório com possível potencial pandêmico", diz o artigo publicado na Nature.

No último dia 20, no entanto, a própria revista tomou à frente no debate e deixou claro que não há qualquer correlação científica entre estes artigos e a atual pandemia — e, mais uma vez, afirmou que a tese de que o vírus teria sido criado em laboratório é falsa.

"Sabemos que este artigo está sendo usado como base para teorias não verificadas de que o novo coronavírus que causou o COVID-19 foi projetado. Não há evidências de que isso seja verdade; os cientistas acreditam que um animal é a fonte mais provável do coronavírus."

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Errata: o texto foi atualizado
Matteo Salvini foi vice-primeiro-ministro da Itália entre 2018 e 2019, e não primeiro-ministro da Itália, como informou equivocadamente a primeira versão deste texto. A informação foi corrigida.

Coronavírus