UOL Notícias Cotidiano
 

05/05/2009 - 20h10

Chuvas voltam a causar estragos em Estados do Norte e Nordeste

Do UOL Notícias*
Em São Paulo
A chuva voltou a causar estragos nas regiões Norte e Nordeste do país nesta terça-feira (5). No Piauí, o número de atingidos chegou a 8.209 famílias, ou cerca de 41 mil pessoas. Até a noite de ontem, 14 municípios já haviam decretado situação de emergência.

Após sobrevoar áreas atingidas pelas chuvas no Piauí, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que é preciso retirar os moradores dos locais onde ocorrem enchentes com frequência e criticou administrações que permitem moradias em áreas de risco.

Segundo Lula, que também visitou o Maranhão, "quem governa sabe que é difícil convencer a pessoa a sair do local onde mora". "Mesmo em São Paulo, Rio de Janeiro, tem que levar a polícia porque eles não querem sair. Teresina, por exemplo, tem boa parte da cidade construída na várzea. A várzea é o lugar onde dá água. É muito engraçado que o povo que mora na beira do rio não quer sair da beira do rio", completou.

O governador do Piauí, Wellington Dias, anunciou nesta manhã a suspensão das aulas nas escolas públicas da rede estadual de ensino em Teresina e no restante do Estado devido ao agravamento da situação causada pelas chuvas.

No Maranhão, o último balanço da Defesa Civil indica um aumento no número de afetados, que chega a 137.800 moradores de 48 municípios. Desse total, 25 mil estão desalojados - podem contar com auxílio de familiares e conhecidos - e 22.500 desabrigados, que têm de recorrer a abrigos públicos.

Em todo o Estado, seis rodovias federais estão interditadas. Três pontes, uma em Alto Alegre do Maranhão, outra em São Luís e outra em Moção, caíram, deixando a passagem totalmente bloqueada. Ao todo, segundo a Defesa Civil, 137 quilômetros de estradas foram destruídas e outros 738 quilômetros de rodovias estão danificados.

Dos municípios atingidos, 42 já decretaram situação de emergência. Não há registro de desaparecidos, mas sete pessoas já morreram. Ontem, um morador de Trizidela do Vale morreu após receber uma descarga elétrica. O Ministério da Saúde autorizou o envio ainda esta semana de um carregamento com 265 mil unidades de 15 tipos de medicamentos ao Maranhão.

Já no Ceará, o governador Cid Gomes (PSB) disse nessa terça-feira que vai recorrer ao governo federal para pedir auxílio para a reconstrução das áreas destruídas pelas chuvas. "Temos 500 residências destruídas, 3.000 danificadas, pontes que caíram, açudes arrombados, estradas destruídas."

De acordo com o último balanço divulgado pela Defesa Civil estadual, o Ceará contabiliza 11.748 pessoas vivendo em abrigos públicos, além de 19.018 que tiveram que deixar suas residências e estão na casa de parentes ou amigos. No total, 61 municípios foram atingidos. A situação é pior no norte do Estado, para onde correm os rios.

Três pessoas morreram na tarde desta terça-feira, em Salvador, na Bahia, em consequência da forte chuva que cai sobre a cidade desde a madrugada. Elas foram vítimas do desabamento de um imóvel na travessa 1° de Janeiro, no bairro de Pirajá.

De acordo com o Corpo de Bombeiros e com a Defesa Civil, as vítimas já resgatadas são Leandro Vinícius Rocha da Silva, 20, e um jovem de prenome Júnior. O corpo de Rodrigo Cassiano da Silva, 20, ainda está sob os escombros.

Pela manhã, quatro outras pessoas ficaram feridas, mas sem gravidade, em outros acidentes. O desabamento de um muro sobre a parede de uma casa, no Bairro da Paz, provocou ferimentos leves em três pessoas: Ana Cláudia de Jesus Santana, 17, Luciano Pereira Alves, 22, e na filha deles, Luciana Santana Alves, 2. A queda de um barranco em Sussuarana, também derrubou a parede da casa de Américo Santos, 67, que sofreu uma fratura em uma das pernas.

Já no Amazonas, o tradicional Festival Folclórico de Parintins corre o risco de não ser realizado nos últimos dias de junho por conta da enchente que já atinge bairros próximos ao Bumbódromo.

A Defesa Civil Estadual estima que cerca de 30 mil pessoas que moram na zona oeste de Parintins, a 325 km de Manaus, podem ficar completamente isoladas do centro. No município, foram cadastradas 2 mil famílias desalojadas, que perderam suas casas, mas estão em casas de parentes.

De acordo com o secretário de governo do Estado, José Melo, contudo, o município que mais preocupa é Anamã, a 168 quilômetros da capital. "O município está submerso porque foi construído dentro de um vale, as pessoas estão todas ilhadas nos poucos lugares mais altos", conta o secretário.

No Estado do Pará, as regiões mais atingidas pelas cheias são o baixo Amazonas e Tapajós, onde o nível do rio já está a 8,5 metros acima do nível normal. De acordo com a Defesa Civil Estadual, aproximadamente 32 mil pessoas foram afetadas pelas cheias e ao menos mil estão desalojadas. São 28 municípios em situação de emergência.

*Com informações da Folha Online

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,68
    3,173
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,44
    64.861,92
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host