Giro UOL traz os destaques da noite desta quarta,12/04, para você

Saulo Novaes

Do UOL, em São Paulo

  • Arte UOL

Giuliano Gomes/Estadão Conteúdo
Giuliano Gomes/Estadão Conteúdo

Doação oficial era bônus

Em depoimento ao juiz Sergio Moro, o herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou que o pagamento a políticos em caixa dois era recorrente na empreiteira. Em uma das planilhas, as doações eleitorais oficiais eram identificadas como "bônus". "Três quartos do custo estimado das campanhas era caixa dois. Então, o pessoal precisava de caixa dois", disse o executivo, em audiência realizada na segunda (10) e tornada pública hoje.
Compartilhe
Pedro Ladeira/Folhapress
Pedro Ladeira/Folhapress

Troca de favores

O patriarca da maior empreiteira do país, Emílio Odebrecht, revelou que a ex-presidente Dilma Rousseff era "responsável pelo favorecimento" da empresa Tractebel-Suez em licitação para construção da Usina Hidrelétrica de Jirau, em Rondônia. De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral apurados pelo jornal O Estado de S.Paulo, o comitê de campanha da ex-presidente recebeu R$ 1 milhão nas eleições de 2010 e a candidatura pessoal de Dilma na campanha de 2014 foi destinatária de R$ 800 mil da Tractebel Energia Comercializadora Ltda.
Compartilhe
Rudy Trindade - 6.jun.2016/Framephoto/Estadão Conteúdo
Rudy Trindade - 6.jun.2016/Framephoto/Estadão Conteúdo

Ajuda familiar

Réu em cinco processos referentes à Lava Jato e seus desdobramentos, o ex-presidente Lula é alvo de outros seis pedidos de investigações criminais enviados pelo ministro Edson Fachin - relator do caso no Supremo Tribunal Federal - para a Justiça Federal de primeira instância. Lula, segundo delatores, se comprometeu a melhorar as relações entre a empreiteira e a presidente Dilma Rousseff em troca de apoio da Odebrecht a projetos do filho caçula, Luís Cláudio Lula da Silva. O ex-presidente, conforme relatos, também tinha conhecimento do pagamento de uma mesada ao irmão mais velho, José Ferreira da Silva, o Frei Chico.
Compartilhe
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Tem de continuar

O presidente da República, Michel Temer, afirmou hoje que os três Poderes ? Executivo, Legislativo e Judiciário ? não podem ser paralisados, ainda que existam "divergências" ou "interpretações equivocadas". Ele ainda destacou o avanço da agenda de reformas ao citar a reformulação das legislações trabalhista e previdenciária. O presidente disse ainda que deve existir um "cuidado" para que a sociedade não pense que os Poderes não estão cumprindo os seus papéis.
Compartilhe
PATRIK STOLLARZ/AFP
PATRIK STOLLARZ/AFP

Liga dos Campeões

Borussia Dortmund e Monaco se enfrentaram pela Liga dos Campeões um dia após o ataque ao ônibus do clube alemão. Em uma partida com homenagens ao zagueiro Marc Bartra antes de a bola rolar, o time francês soube se impor e venceu por 3 a 2. Com o resultado, o Monaco poderá perder o próximo jogo, marcado para quarta-feira (19), por 1 a 0 ou 2 a 1 que estará classificado. Nos outros dois jogos de ida da Liga, o Real Madrid venceu o Bayern de Munique por 2 a 1 de virada, na Alemanha, e o Atlético de Madri não teve problemas para vencer o Leicester em casa por 1 a 0. Os clubes voltam a se enfrentar na próxima terça-feira (18), às 15h45 (de Brasília).
Compartilhe
AFP PHOTO / Greg Baker
AFP PHOTO / Greg Baker

Em busca de feito histórico

O piloto espanhol Fernando Alonso irá se ausentar do Grande Prêmio de Fórmula 1 de Mônaco deste ano, a prova mais glamourosa do calendário da modalidade, para disputar as 500 milhas de Indianápolis na mesma semana de maio, informou hoje a equipe McLaren. O bicampeão do mundo disse que um dia quer seguir os passos de Graham Hill, o já falecido britânico que conquistou os títulos da F-1, da Indy e das 24 Horas de Le Mans nos anos 1960. Outro motivo seria devido aos desgostos atuais com o carro de motor Honda de sua escuderia ? a McLaren é a última do campeonato depois de duas provas sem pontos.
Compartilhe
Mikhail Klimentyev/RIA-Novosti/AFP
Mikhail Klimentyev/RIA-Novosti/AFP

Rússia veta investigação

Em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, a Rússia vetou uma investigação da organização sobre o ataque químico que deixou cerca de 80 pessoas mortas na Síria na semana passada. Aliado do governo sírio, a Rússia vetou pela oitava vez uma resolução contra o ditador Bashar al-Assad desde 2011. Os EUA se posicionaram e afirmaram que o país do presidente Vladimir Putin está ?se isolando da comunidade internacional? ao manter o apoio ao ditador sírio.
Compartilhe
Divulgação
Divulgação

Friends na Broadway

Depois de quase 13 anos desde que chegou ao fim, a série Friends, uma das mais bem-sucedidas da história, será transformada em um musical da Broadway que estreia no próximo semestre de 2017. O projeto é liderado por Bob e Tobly McSmith, que já foram responsáveis por diversos espetáculos de sucesso. O musical trará ao palco as aventuras de um grupo de seis amigos, Ross, Rachel, Monica, Chandler, Joey e Phoebe, moradores de um apartamento em Manhattan. Rumores da imprensa americana indicam que alguns membros do antigo elenco podem fazer aparições no palco do Triad Theater, em Nova York.
Compartilhe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos