Ministros lançam no Rio campanha de proteção às crianças no trânsito

Rafaella Javoski
Do Rio de Janeiro

A chegada da Meia Maratona do Rio, no Aterro do Flamengo, zona sul da cidade, ganhou um atrativo para as crianças na manhã deste domingo (12). Branca de Neve, Os Três Porquinhos, Rapunzel e Lobo-Mau estavam presentes no lançamento da campanha "Ajude a Salvar Nossas Crianças. Cuide delas no Trânsito", realizada pelo Ministério das Cidades e Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), em parceria com o Ministério da Saúde.

Apesar de a Semana Nacional do Trânsito ser comemorada em setembro, entre os dias 18 e 25, a campanha foi lançada no Dia das Crianças, que são o tema principal das propagandas no rádio, TV, internet e peças publicitárias em ônibus e nas ruas. Foram gastos R$12.600.000, doados pelo Fundo Nacional de Segurança e Educação de Trânsito, um departamento do Denatran.

O objetivo é usar os personagens infantis para chamar a atenção dos adultos aos riscos que as crianças correm e alertar os pequenos para os perigos do trânsito. Os filmes que irão ao ar na TV terão como temas criança no carro, criança pedestre, brincadeira de rua e bebida e direção.

O ministro das Cidades, Márcio Fortes, abriu o lançamento da campanha e ressaltou que o importante é que se faça uma conscientização dos pais para que adotem os cuidados necessários e das crianças, para que fiscalizem os motoristas. "Queremos chamar a atenção das crianças para que perguntem qual é a mensagem e cobrem dos pais", explicou.

Ele lembrou que aos oito anos quase foi atropelado por um carro quando corria atrás de sua cadela, e alertou que as crianças precisam saber que existe a possibilidade do risco. Para ele, esse é o papel dos pais.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, ressaltou que, enquanto o índice de mortalidade infantil diminui, mais crianças estão morrendo no trânsito. Em 2006, os acidentes foram responsáveis por 29,3% das mortes de crianças. Do total de vítimas do trânsito, 50,8% foi de atropelamento e 19,9% como ocupantes de automóveis. Esta última é a principal causa de morte entre os menores de um ano de idade.

"Se o pai, mãe, tio bebeu, dá uma bronca", disse às crianças o ministro Temporão. Ele atribuiu a falta de consciência, falta de educação, falta de respeito à legislação e o aumento do número de veículos nas grandes cidades ao crescimento do índice de acidentes e mortes. Em 1990, circulavam no país 18,3 milhões de veículos. Em maio deste ano, a frota chegou a 51,6 milhões, com 30,7 milhões de automóveis.

Temporão antecipou ainda o lançamento de uma nova campanha voltada para o uso de farmacêuticos. "Muita gente toma medicamentos como antidepressivos, antiinflamatórios e ansiolíticos e dirige. Remédio é uma droga, os médicos devem orientar melhor", esclareceu.

Os ministros concordaram que a maior parte dos usuários desses medicamentos não lê a bula e não sabe os efeitos colaterais que podem surgir. "A bula tem que ter letra grande, senão não resolve", criticou Temporão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos