No sétimo dia de greve, bancários de SP são chamados ao TRT

Do UOL Notícias Em São Paulo

Os grevistas do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e a Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul foram chamados para uma audiência de conciliação hoje no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), na capital. Os líderes sindicais tentarão entrar em acordo com o Ministério Público do Trabalho, que na quinta-feira passada entrou com uma liminar exigindo atendimento mínimo de 70% em todos os bancos.

Dia começa com 207 agências bancárias fechadas em Curitiba e região

A estimativa do sindicato da categoria é que 14 mil trabalhadores bancários de Curitiba e região estejam parados. No interior, esse número é de aproximadamente 17,5 mil, além de 405 agências


"Nós estamos agindo dentro da lei de greve, do jeito que está na Constituição. Essa liminar não pode ferir uma legislação superior", argumentou o presidente do sindicato, Luiz Cláudio Marcolino, reconhecendo que, na prática, essa liminar pode esvaziar a greve.

A reunião está marcada para as 13h30. A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos, patronal) também deverá participar.

A audiência deverá ser acompanhada por manifestações dos bancários do lado de fora do prédio do TRT, na Rua da Consolação. Em São Paulo, o último balanço divulgado pelo sindicato indica que 14.200 bancários, ou 12% da base sindical, estão de braços cruzados.

Sem negociação, greve faz uma semana
Ontem à noite, os bancários de 24 capitais e 148 sindicatos filiados à Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

Greve mobiliza 70% dos bancários de Manaus

Bancários de 40, das 86 agências da cidade estão de braços cruzados: 100% das agências da Caixa Econômica Federal e do Banco da Amazônia (Basa), 80% das unidades do Banco do Brasil e de nove agências de bancos privados

decidiram pela continuidade da greve por tempo indeterminado. Segundo a Contraf, a greve paralisação atinge 5 mil agências em todo o país. As bases de Manaus, Goiânia e Palmas, filiadas à Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Crédito (Contec), também estão paralisadas desde a quarta-feira passada.

Os bancários estão em um impasse com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), cuja última proposta salarial - aumento de 0,35% - foi feita no dia 24 de setembro, antes mesmo da paralisação de 24h da categoria, no último dia 30.

As principais reivindicações dos bancários são: 5% de aumento real; valorização dos pisos salariais; aumento do valor e simplificação da distribuição da PLR (Participação nos Lucros e Resultados); vale-refeição de R$ 17,50; cesta-alimentação equivalente a um salário mínimo (R$ 415); fim das metas abusivas e do assédio moral; mais segurança nas agências; mais contratações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos