Perdas de energia geram prejuízo de R$ 10 bilhões por ano em impostos, diz TCU

Do UOL Notícias
Em São Paulo

Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou que o país deixa de receber, por ano, cerca de R$ 10 bilhões em impostos devido a perdas de energia elétrica. Estas perdas se devem a furtos, falhas operacionais e ausência de medição na distribuição de energia.

As próprias concessionárias são responsáveis por estas perdas. O TCU constatou que 64 distribuidoras do Brasil ainda utilizam relógios como medidores: eles têm tecnologia de mais de 100 anos, facilitam o furto e dificultam uma medição eficiente.

Investimento na região Norte

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, anunciou hoje que os investimentos da Eletrobrás nas empresas energéticas da região Norte em 2008 e 2009 chegarão a R$ 2,9 bilhões. O deputado Marcelo Serafim (PSB-AM), autor do requerimento para a realização do debate na Câmara, afirma que hoje o Amazonas sofre com constantes apagões


O relatório mostra que o volume de energia perdida em 2007 poderia abastecer os Estados de Minas Gerais, Ceará, Bahia e Pernambuco juntos, durante um ano. Fazendo outra comparação: toda a energia que será produzida pela usina de Santo Antônio, no Rio Madeira (RO), corresponderá a pouco mais de 35% das perdas elétricas anuais do país.

Segundo o TCU, na Light e na Ampla (Rio de Janeiro) e na Manaus Energia (Amazonas), a "vulnerabilidade da rede elétrica é muito grande".

O tribunal afirma que um dos Estados que apresenta as maiores perdas do Brasil é o Rio de Janeiro, devido aos problemas de violência e de ausência de fiscalização nas favelas. Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no entanto, mostra que as áreas mais pobres respondem por apenas 37% das perdas. Os condomínios de luxo podem ser também responsáveis, pois eles foram construídos com tecnologias que permitem fraudes no consumo de energia.

As perdas em energia influenciam no valor das tarifas que são cobradas da população. Segundo o TCU, os consumidores ainda pagam 5% a mais nas tarifas. Em 2003, as perdas elétricas foram repassadas integralmente para os consumidores. Na época, a própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reconheceu que as falhas foram causadas por ineficiências na gestão. Entretanto, no ciclo de reajuste que começou em 2007 e continua em curso, a maioria das medidas para combater e regular os prejuízos com mais eficiência deixou de ser implementada.

O relatório aponta saídas. No Brasil, há tecnologia disponível para reduzir significativamente as fraudes no consumo de energia, mas apenas 7% dos recursos destinados a novos estudos são empregados em projetos de combate às perdas. O Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel), ligado ao sistema Eletrobrás, já desenvolveu um sistema de medição que possibilita o gerenciamento da rede de distribuição de modo mais eficiente.

Por fim, o TCU recomenda que a Aneel estabeleça níveis de perdas técnicas admissíveis, por meio de comparação entre as distribuidoras, e defina uma trajetória descendente para os prejuízos, entre outras medidas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos