Fachada de prédio desaba e fere seis pessoas no Rio

Juliana Castro
Do UOL Notícias
No Rio de Janeiro*

Atualizada às 11h50

Seis pessoas ficaram feridas com o desabamento da fachada de um prédio em obras na esquina das ruas Visconde de Pirajá e Farme de Amoedo, em Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro. O acidente aconteceu por volta 9h15 da manhã de hoje.

Desabamento

    A Visconde de Pirajá é a rua mais movimentada de Ipanema. É uma rua bastante comercial, numa região cheia de prédios residenciais. Nela, há intenso movimento de carros, ônibus e pedestres. Uma das faixas da rua foi bloqueada pelos bombeiros, o que prejudica o trânsito. A rua Farme de Amoedo, da Visconde de Pirajá até a praia de Ipanema, está, também, toda fechada para os veículos.

    Dos feridos, cinco foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e levados para o Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon. O sexto ferido recusou o socorro no local do acidente, mas também se encaminhou para hospital. Um dos acidentados teve fratura exposta na perna e um outro sofreu contusão na região dorsal. Aparentemente, a situação dos dois não é grave, segundo o capitão do Corpo de Bombeiros responsável pelo socorro. No momento, quatro veículos do Corpo de Bombeiros estão na região.

    Os bombeiros acreditam que não há ninguém soterrado no local. O prédio que desabou abrigava uma lanchonete em reformas, que seria reaberta em dezembro.

    O pedreiro Agnaldo José Albino, de 49 anos, relatou à Agência Estado que passava a caminho do trabalho com um amigo quando ouviu um barulho. "Só vi uma poeira e meu amigo caído debaixo de um monte de pedras", lembrou. Albino foi uma das pessoas que tiveram ferimentos mais leves. Ele sofreu escoriações pelo corpo e machucou a canela esquerda.
    • Rafael Andrade/Folha Imagem

      Bombeiro faz buscas nos escombros do prédio


    Luciana Bravo Akiba, de 36 anos, especialista em turismo, também estava passando pelo local quando ocorreu o acidente. Ela não foi ferida gravemente, segundo o Corpo de Bombeiros. Também se feriram Jonas Pereira Andrade, de 50 anos, Lillian Maria Reis Viana, 51, e Luís Lopes da Silva, 47.

    Segundo o comerciante Leonardo Lemos, que atua na região, "a loja estava bonita; a estrutura é que não existia, por isso estavam fazendo a reforma".

    O secretário municipal de urbanismo, Augusto Ivan, afirmou que a obra estava irregular. Segundo ele, o prédio, aparentemente construído entre os 1920 e 1940, faz parte de uma lista de imóveis preservados pelo patrimônico histórico. A autorização para a reforma referia-se apenas à fachada e já havia vencido. O proprietário do imóvel já teria sido chamado a dar explicações na Prefeitura.

    *Com informações da redação do UOL Notícias e da Agência Estado

    Receba notícias do UOL. É grátis!

    Facebook Messenger

    As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

    Começar agora

    Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

    UOL Cursos Online

    Todos os cursos