Bancários em greve devem decidir hoje sobre nova proposta salarial da Fenaban

Elisa Estronioli
Do UOL Notícias
Em São Paulo

Os bancários em greve devem decidir em assembléias a serem realizadas nesta quarta-feira se aceitam a proposta salarial feita na noite de ontem pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban - representante sindical dos banqueiros). Ontem, a Fenaban propôs um reajuste salarial de 10% para quem ganha até R$ 2.500 e 8,15% para as demais faixas salariais.

As propostas da Fenaban

  • Reajuste salarial de 10% para quem ganha até R$ 2.500 e 8,15% para as demais faixas salariais e para todos os benefícios
  • Participação nos lucros e resultados (PLR, uma bonificação anual) de 90% do salário mais parcela fixa de R$ 966,00, com teto de R$ 6.301. Esse valor deve ficar entre 5% e 15% do lucro líquido anual do banco, dividido pelos funcionários
  • Adicional de 8% da diferença entre o lucro líquido de 2008 e o de 2007, distribuídos para os funcionários independentemende da faixa salarial, com piso de R$ 1.320 e teto de R$ 1.980
Fonte: Contraf-CUT
O Comando Nacional de Greve, que representa os bancários nas negociações, ainda não decidiu se vai orientar os grevistas a aceitarem a proposta nas assembléias. "Ainda não houve avalição das propostas pelo comando, porque não terminou a rodada de negociações na Caixa Econômica Federal", afirmou Carlos Cordeiro, secretário geral da Confedração Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e membro do comando de negociação.

Na opinião de Cordeiro, a tendência é que o comando aceite a proposta feita pela Fenaban. "Mas no Banco do Brasil e na Caixa, tenho dúvidas", disse, em referência às pendências específicas desses bancos.

As rodadas de negociação adentraram a madrugada. Após as propostas gerais feitas pela Fenaban, teve início a rodada de negociações específicas do Banco do Brasil, onde a última proposta patronal incluiu um bônus de 1.300 reais anuais e criação de um plano odontológico. "Na Caixa Econômica Federal, a questão é saber se vai haver uma proposta alternativa de participação nos lucros e resultados (PLR), porque a proposta geral feita pela Fenaban pode render aos funcionários menos que no ano passado", contou Cordeiro.

Proposta do governo de SP provoca racha na Polícia Civil

Os líderes das associações da Polícia Civil vão propor o fim da greve da categoria, que dura 37 dias, mas dirigentes dos sindicatos devem propor a manutenção da paralisação

Últimas propostas
A proposta patronal de ontem foi a segunda depois do início da greve, que já dura 15 dias. A primeira foi feita na quinta-feira passada (16), com 9% de reajuste para os salários de até R$ 1.500. Para as demais faixas salariais, a entidade patronal manteve os 7,5% que tinham sido propostos na abertura das negociações no dia 24 de setembro, antes mesmo da paralisação de 24h da categoria (dia 30 de setembro) e do início da greve, no dia 8 de outubro. A proposta, considerada insuficiente pelo comando de negociação, não foi sequer encaminhada para votação em assembléias.

Inicialmente, os bancários pediam um reajuste de 12,5%, por considerarem que a proposta feita pela Fenaban (os 7,5%) representava um aumento real de apenas 0,35% sobre a inflação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos