Reforma fecha principal hospital público de Alagoas por cinco meses

Mônica Cavalcante
Especial para o UOL Notícias
Em Maceió (AL)

Falta de estrutura, equipamentos sucateados, pacientes pelo chão, carência de materiais básicos, superlotação. Esse era o cenário da Unidade de Emergência Armando Lages - principal hospital público de urgência e emergência do Estado de Alagoas - que fechou suas portas nesta quinta-feira (23) para reforma.
  • UOL

    Pacientes já sentem os efeitos da paralisação das atividades. A dona-de-casa Maria Aparecida da Silva procurava atendimento desde as 5 horas da manhã

  • UOL

    A Unidade de Emergência já está fechada e reabrirá ao público em um prazo de cinco meses, com a proposta de suprir as necessidades da população

  • UOL

    O hospital, que tem uma média de atendimento de 400 pessoas por dia, recebe pacientes até de outros Estados


O hospital, que tem uma média de atendimento de 400 pessoas por dia, recebe pacientes até de outros Estados. A central de queimados e a UTI pediátrica do SUS já foram referências estaduais. Com a reforma, que começou já na manhã de hoje, a UE reabrirá ao público em um prazo de cinco meses, com a proposta de suprir as necessidades da população.

Enquanto as portas ficarem fechadas, o recém-inaugurado HGE (Hospital Geral do Estado) foi escalado para suprir a demanda de atendimento. "Com especialidades gerais, clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria, otorrino, oftalmo, cirurgia plástica, urologia, cirurgia de tórax, cirurgia vascular, ortopedia, cirurgia geral e neurocirurgia, vamos fazer a diferença e dar assistência à população durante 24 horas ininterruptas", comemorou o diretor-geral do Hospital Geral do Estado, Alfredo Marinho.

Entretanto, pacientes não têm muito o que comemorar e já sentem os efeitos da paralisação das atividades da UE. Procurando atendimento desde as 5 horas da manhã, a dona-de-casa Maria Aparecida da Silva não sabia mais a quem recorrer. "Eu já fui para um ambulatório, de lá me encaminharam para a Maternidade Santa Mônica e o médico detectou que preciso receber sangue. Voltei para cá (HGE) e, quando chego aqui, ninguém me coloca nem um soro. Estou aqui com minha bebê de apenas dois meses, com fome, e ninguém me atende. Não tem médico. Isso é uma vergonha", desabafou.

O Secretário de Saúde do Estado, André Valente, admite a carência de profissionais na área médica. Para ele, a solução não aparecerá só com a inauguração de um hospital, mas sim com uma grande política para a saúde e uma parceria entre os governos estadual e federal. "Carência de profissionais sempre existe. Aqui em nosso Estado nós temos poucos cirurgiões, intensivistas, anestesiologistas, otorrino, neonatologistas, médicos de PSF. E ainda que Maceió não é o maior problema. Temos grandes problemas no interior", disse.

O governador do Estado, Teotônio Vilela (PSDB), atribuiu a problemática da UE à prefeitura de Maceió, que não possui um Programa de Saúde da Família adequado, o que, para ele, acabaria com a superlotação da unidade.

"A cidade de Maceió tem a menor cobertura feita pelo Programa de Saúde da Família do Brasil e isso é uma vergonha, um absurdo. A superlotação é a unha encravada para a Unidade de Emergência, que tem que atender à toda e qualquer demanda da capital, quando isso poderia ser feito em cada bairro. É preciso que todo mundo faça o seu papel e a prefeitura precisa fazer o dela", afirmou o governador.

A prefeitura de Maceió foi procurada pela reportagem do UOL para responder às críticas do governador, mas até a publicação da matéria não houve retorno.

A reforma da UE será feita em etapas e está orçada em R$ 1 milhão, não incluídos os valores dos equipamentos. A obra começará pelo 1º e 2º andar, já que o térreo será preservado para o funcionamento dos setores de nutrição, administração e direção.

A inauguração está prevista para o período máximo de 150 dias. "Vamos entregar o prédio num prazo pequeno porque a intervenção será mais simples. Não será necessário fazer demolições e faremos umas adaptações. Assim, vamos dar celeridade às obras", explicou João Rocha, diretor da empresa contratada para realizar a reforma.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos