PF nega indiciamento de Protógenes nesta semana e diz que não investiga jornalistas

Elaine Patricia Cruz
Da Agência Brasil

A Superintendência da Polícia Federal em Brasília negou nesta segunda (10) que o delegado Protógenes Queiroz, responsável pela Operação Satiagraha, vá ser indiciado ainda esta semana em inquérito policial que investiga o vazamento de informações durante as investigações.

A assessoria do órgão disse à Agência Brasil que o delegado Amaro Viera Ferreira, da Corregedoria da PF, ainda não relatou o inquérito e que por essa razão ainda não é possível indiciar nenhuma pessoa. Não há prazo para que o inquérito, que corre sob sigilo, seja relatado.

Reportagem dos jornais "O Globo" e "Folha de S.Paulo" afirmam que Protógenes será indiciado ainda esta semana pelos crimes de quebra de sigilo funcional, desobediência, usurpação de função pública, prevaricação, grampos e filmagens clandestinas. Dizem ainda que o delegado pode responder pelo uso de agentes da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) sem conhecimento de seus superiores e de ter informado com antecedência a uma emissora de TV e a outros policiais os nomes das pessoas que seriam presas durante a Operação Satiagraha.

Na semana passada, reportagem do jornal "Folha de S.Paulo" também afirmou que o delegado corregedor Amaro Vieira Ferreira teria quebrado o sigilo telefônico, sem ordem judicial, de dezenas de aparelhos Nextel usados por jornalistas na noite em que a operação foi deflagrada, para tentar descobrir o responsável pelo vazamento da operação à imprensa. Em nota, a Polícia Federal nega a informação, afirmando que "não investiga jornalistas no referido inquérito policial".

A Operação Satiagraha, deflagrada pela Polícia Federal no dia 8 de julho, prendeu o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.

Uma semana depois, o delegado Protógenes Queiroz deixou a condução da operação. À época, a Polícia Federal alegou que o próprio delegado pediu o seu afastamento do caso para fazer um curso superior de polícia em Brasília. Mas o delegado fez uma queixa formal à Procuradoria da República em São Paulo afirmando ter sido afastado das investigações.

Segundo a Polícia Federal, depois de ser relatado, o inquérito feito pela corregedoria será encaminhado para o Ministério Público Federal, que pode abrir uma denúncia e levá-lo à Justiça, devolvê-lo para a Polícia Federal ou até mesmo considerá-lo inadequado, sem encaminhá-lo para nenhum outro órgão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos