Ambientalistas reagem e Paraná vive a "crise do javali"

Marcus Vinicius Gomes
Especial para o UOL Notícias
Em Curitiba (PR)

Grupos de ambientalistas do Paraná encaminharam nesta semana ofício ao IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e ao Ministério Público Estadual pedindo que os javalis no Parque Vila Velha, em Ponta Grossa, na região central do Paraná, não sejam capturados e abatidos.

  • Divulgação/Simone Camargo Umbria
  • Divulgação/Simone Camargo Umbria

    Acima, um javali; abaixo, um cateto, espécie nativa; ambos foram "capturados" por armadilha fotográfica da pesquisadora Simone Camargo Umbria

Cerca de 200 javalis vivem, atualmente, no parque. Animal exótico, ou seja, não pertencente à fauna brasileira, o javali é considerado por especialistas uma das piores espécies invasoras do mundo. No Parque Vila Velha, o animal, que se reproduz com facilidade e não tem predador natural, é considerado uma praga pelo Instituto Ambiental do Paraná. Há registros também de invasão do animal nas propriedades rurais no entorno do parque. Por ser da mesma espécie do porco doméstico, o javali tem procriado e gerado uma subespécie que é chamada de "javaporco".

A medida dos grupos ambientalistas visa a impedir que o Instituto Ambiental do Paraná, o IAP, Ponta Grossa, na região sul do Paraná, adote a captura e a morte dos javalis como forma de controlar a população de animais.

Para a secretária do Grupo Fauna, Andresa Liriane Jacobs, a decisão de abate dos javalis tomada pelo IAP é precipitada e não contempla soluções alternativas. A ambientalista defende um estudo apurado sobre o caso antes de qualquer medida.

"Fomos pegos de supresa pela notícia divulgada pela imprensa de que o IAP pretendia capturar e abater os animais", disse Andresa Jacobs. De acordo com ela, a decisão teria sido tomada à revelia do Conselho Gestor de Vila Velha, do qual o Grupo Fauna é integrante.

Andresa defende um estudo de impacto no parque e lembra que o animal foi introduzido no país através de criadores. "Ele não veio a nado para o Brasil", ironizou.

O Grupo Fauna e outras entidades ambientalistas do Estado, como o SOS Bicho, de Curitiba, admitem o manejo da espécie, mas não o abate. "Essa seria a última alternativa. O nosso propósito é garantir a vida do javali. Há outras soluções como a castração do macho, o uso de microchip para controlar o movimento da população de javalis e até a criação de santuários. O abate figura no fim da lista."

Disputa interna
A polêmica envolvendo o extermínio do javali também colocou em lados opostos o secretário estadual do Meio Ambiente, Rasca Rodrigues, e o seu subordinado, o presidente do IAP, Victor Hugo Burko, uma vez que o instituto está submetido ao órgão. Anteontem, Rodrigues se posicionou favorável aos argumentos do Grupo Fauna.

Ouvido pela reportagem nesta quinta-feira (20), Burko disse que a posição do secretário é pessoal e apontou a solução para o caso. "É fácil, nós capturamos os javalis e o entregamos ao Grupo Fauna. Eles que decidam o que vão fazer com o animal. No Parque Vila Velha eles não vão ficar", afirmou. "Se eles (os ambientalistas) tiverem uma saída melhor que apresentem. Eu quero ouvi-los."

O presidente do IAP disse ainda que concorda com a decisão de Rasca Rodrigues de submeter a decisão ao Confauna (Conselho de Fauna da Secretaria do Meio Ambiente), porém lembrou que o javali não pode ser tratado como um membro do conjunto de espécies brasileiras, já que é um animal invasor e daninho.

"Ele come tudo o que vê pela frente. Destrói ovos de pássaros que fazem ninho no chão, devasta plantações e fuça a terra até arrancar as raízes das plantas", afirma o presidente do IAP, Victor Hugo Burko.

A bióloga da UFPR (Universidade Federal do Paraná), Simone Camargo Umbria, que pesquisa o animal na região, também defende o abate dos javalis e assinala que eles são foco de leptospirose e febre aftosa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos