Mesmo com crise financeira, comércio espera aumento de vendas neste Natal

Da Agência Brasil
Em Brasília

O movimento nos shopping centers e nas feiras das grandes capitais ainda não registra retração neste mês, apesar do cenário de incertezas na economia, decorrente da crise financeira internacional. Ao contrário, o que o comércio espera, no final do mês, é um balanço com resultados positivos em comparação com o mesmo período do ano passado.

Governos precisam gastar mais para combater crise, afirma FMI

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, disse à BBC que mais gastos serão necessários para estimular o crescimento econômico global. Em novembro, o FMI revisou para baixo a previsão de crescimento global de 3% para 2,2%


O impacto do pagamento do 13º salário a partir de novembro injetou na economia brasileira R$ 78 bilhões, o que, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), dá margem ao aumento de vendas. Em outubro, houve retração geral de 8% no setor em relação a setembro, conforme levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que atribuiu o fenômeno ao início da retração na oferta de crédito.

De acordo com o Dieese, a entrada do 13º. salário na economia representa 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma das riquezas produzidas no país durante o ano. O levantamento do IBGE mostra que as vendas de automóveis caíram, isoladamente, 19% em outubro e que não houve recuperação em novembro. No entanto, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de carros, decidida no último dia 11 pelo governo, deverá favorecer o aumento de vendas no setor a partir deste mês.

Outra opção para o consumidor é comprar pela Internet. Os preços pode ser bem reduzidos e os produtos saírem por até 30% menos do que no comércio tradicional. O Procon de São Paulo alerta, porém, para os cuidados necessários para garantir a entrega da compra.

Segundo o Procon-SP, a empresa deve assumir compromissos por escrito quanto às suas responsabilidades no que diz respeito ao prazo de entrega e à garantia do produto.

De acordo com pesquisa feita pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), 60% dos consumidores ouvidos na capital pretendem dar presentes neste natal, contra 66% em dezembro do ano passado. O preço médio dos presentes subiu de R$ 46, em 2007, para R$ 93,30 neste ano. Os itens mais procurados são peças de vestuário e calçados (com 61% das opções), Brinquedos representam 34% das escolhas e, em seguida, vêm perfumes e cosméticos, com 13%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos