RS registra em 2008 maior índice de homicídios da década

Flávio Ilha
Especial para o UOL Notícias
De Porto Alegre (RS)

O número de mortes violentas no Rio Grande do Sul cresceu 4,38% em 2008, elevando as estatísticas de homicídios a padrões recordes para o Estado.

Ano a ano, homicídios e ocorrências por tráfico de drogas no RS (para cada
100 mil habitantes)


AnoHomicídiosTráfico
200011,213,2
200112,013,1
200215,314,6
200313,216,7
200412,618,8
200512,423,4
200612,425,0
200714,832,4
200816,441,4
  • Secretaria de Segurança Pública - RS


A secretaria estadual de Segurança Pública divulgou nesta quarta-feira (07) o balanço do ano passado: foram 1.641 assassinatos, uma média superior a quatro mortes por dia. Só em novembro de 2008 foram 156 homicídios - média de mais de cinco mortes por dia, uma a cada quatro horas.

Junto com os homicídios, aumentaram também as ocorrências envolvendo tráfico de drogas e posse de entorpecentes - o que ajuda a explicar as estatísticas registradas no Rio Grande do Sul. O delegado Guilherme Wondracek, diretor substituto do Deic (Departamento de Investigações Criminais da Polícia Civil gaúcha), reconheceu que as disputas entre traficantes estão por trás do aumento nos indicadores de homicídios no Rio Grande do Sul.

O chefe de Polícia do Estado, delegado Pedro Rodrigues, reforçou a sensação de elo entre tráfico e homicídios. Segundo ele, o acerto de contas está por trás do aumento da criminalidade no Rio Grande do Sul. "Nossos registros mostram que em mais de 60% das ocorrências as vítimas se conhecem", revela. Ele também informou que a maioria dos mortos tinha antecedentes criminais. Desde 2001, os indicadores sobre tráfico de drogas praticamente triplicaram no Estado.

As apreensões de drogas também mostram a proliferação desse tipo de crime no Rio Grande do Sul. Em 2007 foram apreendidas 2,9 toneladas de maconha no Estado, contra 3,9 toneladas do ano passado - um aumento de 157%. Também houve mais apreensões de cocaína - 88 quilos em 2007 contra 134 quilos em 2008 - e de crack.

Das dez cidades mais violentas do Estado, sete estão na região metropolitana de Porto Alegre. A capital lidera as estatísticas com 406 homicídios - quase um terço do total. Logo depois vem Canoas, vizinha a Porto Alegre, com 80 mortes. A próspera Caxias do Sul, na serra gaúcha, registrou 73 assassinatos em 2008. Em Porto Alegre, entretanto, as incidências diminuíram 13%, segundo o chefe de Polícia do Estado.

O problema é que em outras cidades da região metropolitana os índices aumentaram. "Como fomos mais efetivos na capital, houve uma migração das ocorrências", avaliou Rodrigues. O Deic avalia as 11 cidades mais violentas do Estado e, com base nelas, traça suas estratégias de combate ao crime. Em nove delas houve aumento nos indicadores de homicídios em 2008.

Considerando a população gaúcha, o Rio Grande do Sul registrou o nível mais elevado de homicídios da década: 16,41 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes. O recorde havia sido em 2002, quando o índice ficou em 15,2 assassinatos por 100 mil habitantes. A curva ascendente acompanha os registros de tráfico de drogas na década, que passaram de 13,2 ocorrências para cada grupo de 100 mil habitantes em 2000 para 41,4 em 2008.

O consultor em segurança José Vicente da Silva, ex-comandante da PM de São Paulo, disse que os indicadores econômicos do Rio Grande do Sul deveriam sugerir índices menores de violência. "O mais adequado seria um registro entre 10 e 12 mortes violentas para 100 mil habitantes", ponderou Silva. Ele também vinculou o aumento no número de homicídios ao incremento nos casos de tráfico de drogas. "As duas coisas estão intimamente ligadas", disse.

Segundo o professor e sociólogo José Vicente Tavares dos Santos, da UFRGS, a violência urbana pode ser explicada em parte também pela segregação social e espacial das populações e pelo aumento do desemprego. "Mas não se pode desconsiderar o recurso a soluções diretas de justiça por parte das populações periféricas, resultantes especialmente do descrédito em relação ao aparato policial", explica.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos