Chuva ininterrupta e deslocamento por rodovias causaram mortes no RS, avalia Defesa Civil

Sílvio Ferreira
Especial para o UOL Notícias
Em Porto Alegre (RS)

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul avaliou nesta terça-feira (3) os estragos causados pela chuva no Estado. Segundo o órgão, foram duas as causas principais para o número excessivo de mortes ocorridas na semana passada no Estado: as 10 horas de chuvas ininterruptas aliadas ao deslocamento de veículos pelas vias de acesso entre os municípios da região Sul.

Segundo o coronel Joel Prates Pedroso, coordenador estadual da Defesa Civil, o nível dos rios e arroios subiu muito rapidamente. "Preocupados em retornar para suas casas, as pessoas entraram nas rodovias e não perceberam que, em alguns lugares, a força das águas havia arrancado as cabeceiras das pontes", explicou o coronel.

A Defesa Civil contabilizou 14 mortes. Quatro municípios declararam situação de emergência: Pelotas, Turuçu, Morro Redondo e Capão do Leão. Embora a maioria das pessoas já tenha retornado para casa, foram 3.300 desabrigados, 44 pontes atingidas e duas rodovias federais bloqueadas.

Durante o fim de semana, o secretário Nacional de Defesa Civil, Roberto Guimarães, e o representante estadual do órgão, coronel Prates, sobrevoaram a região. Eles pousaram em Pelotas (250 km de Porto Alegre) para realizar uma reunião com os prefeitos dos municípios atingidos e discutir um plano de reconstrução.

Reconstrução
Em Pelotas, as últimas famílias deixaram o ginásio do Colégio Pelotense, que concentrava cerca de 350 desabrigados. A prefeitura de Pelotas volta agora as atenções aos moradores da zona rural, que tem em torno de 5.000 residências.

Duas comunidades apresentam situação mais crítica. Colônia São Pedro e Alto da Cruz ainda hoje estavam sem luz. Para restabelecer o fornecimento, a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) depende da recuperação dos acessos aos locais. Em Capão do Leão, em torno de 130 casas tiveram a estrutura comprometida.

Aproximadamente 28 mil itens de roupas recolhidas pelo Comitê de Ação Solidária foram enviados para os atingidos pelas cheias. A Defesa Civil do Rio Grande do Sul enviou à zona sul do Estado 4.500 kits de ajuda. O material inclui travesseiros, cobertores, lençóis, cestas básicas e produtos de limpeza.

A governadora Yeda Crusius destacou o apoio da Secretaria Nacional de Defesa Civil e lembrou a mobilização dos gaúchos em torno do momento difícil. "Agradeço principalmente a força das pessoas das comunidades atingidas, representadas por todas as instituições, as quais externam a fibra, o amor, a solidariedade e a determinação do povo gaúcho em momentos como este", disse Crusius.

A meteorologia informa que a previsão para a noite de hoje é de pancadas de chuvas, de moderadas a fortes, associadas com trovoadas e rajadas de vento em áreas isoladas do noroeste e do Estado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos