Sindicalistas promovem ato unificado em defesa do emprego e dos direitos trabalhistas

Alana Gandra
Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro

A Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) realizam hoje à tarde (11), em frente à sede administrativa da mineradora Vale, no Rio de Janeiro, uma manifestação em defesa do emprego, dos salários e dos direitos dos trabalhadores. Foram convocadas todas as centrais sindicais e entidades represtantes do funcionalismo público.

Amanhã, o ato unificado se repete em frente às Federações das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e de Minas Gerais (Fiemg).

De acordo com a Secretaria-Executiva da Conlutas, Perciliana Rodrigues, o ato ocorre "em defesa dos direitos dos trabalhadores, pela estabilidade do emprego e nenhuma demissão". Segundo a sindicalista, está ocorrendo uma redução dos direitos dos trabalhadores, traduzida por férias coletivas, suspensão dos contratos de trabalho e redução dos salários.

"Uma renegociação, justificando a questão da crise. Mas não são os trabalhadores que têm que garantir mais lucro para os patrões", afirmou.

A sindicalista esclareceu que acima das divergências "profundas" entre a Conlutas e a CUT está a defesa dos direitos dos trabalhadores. Enquanto a CUT admite a redução de jornada e de salários para manutenção de empregos, a Conlutas faz a defesa "intransigente" de todos os direitos dos empregados, disse Perciliana.

O ato unificado exige do governo que tome medidas efetivas de defesa do emprego e dos direitos dos trabalhadores, no sentido de preservar a legislaçãop atual e fixar sanções ao patronato que descumprir a política trabalhista.

"Se o governo teve bilhões de reais para salvar algumas empresas e bancos, ele deve tomar uma posição em defesa dos trabalhadores", protestou.

Rodrigues afirmou que no caso específico da Vale, a empresa nunca foi deficitária e continuou dando lucro após a privatização. Por isso, a Conlutas reivindica sua re-estatização. O mesmo ocorre em relação aos bancos públicos que foram privatizados. "Se o governo empresta dinheiro para salvar, então que re-assuma", argumentou.

Apesar de reconhecer que houve pouco tempo para a convocação, a sindicalista espera que pelo menos mil trabalhadores e servidores públicos participem do ato no Rio dando avançando no processo de mobilização". Segundo ela, o calendário de manifestações em defesa do emprego será ampliado em março em todo o país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos