Com beijaço, homossexuais protestam contra shopping de Salvador

Aurelio Nunes e Gabriel Carvalho
Especial para o UOL
Em Salvador

Um grupo de pouco mais de 20 homossexuais protestou contra a discriminação homofóbica na entrada principal do Shopping Iguatemi, em Salvador, na tarde desta sexta-feira (13).
  • Aurélio Nunes/UOL
  • Aurélio Nunes/UOL

    Protesto é contra a expulsão de um casal gay do shopping



O "beijaço" teve como objetivo protestar contra a expulsão de um casal gay das dependências do shopping. Os estudantes Ronney Argolo e Leonardo Melo alegam que estavam na Alameda das Grifes, no 3º piso do Iguatemi, na noite desta segunda-feira, 9, quando foram convidados a se retirar por um segurança, sob a justificativa de que o beijo público do casal constrangia as famílias que estavam no local. Ambos prestaram queixa na 16ª Circunscrição Policial, no bairro da Pituba.

"Estamos aqui porque um casal gay estava andando de mãos dadas no shopping e foi convidado a se retirar por um segurança. Isso é discriminação", discursou o fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), Luiz Mott.

Entoando palavras de ordem e ostentando cartazes e bandeiras coloridas, os manifestantes conseguiram chamar a atenção de centenas de clientes do Iguatemi, muito mais por causa do barulho que faziam do que pelo prometido "beijaço, que só foi adeido por dois casais. No final, o beijaço virou apitaço.

"Nosso objetivo é tornar cada vez mais públicos casos como esses. O shopping Frei Caneca, em São Paulo, teve o mesmo procedimento que o Iguatemi. Protestamos para que situações como essas não se repitam mais no Brasil", acrescentou o presidente do GGB, Marcelo Cerqueira.

A direção do shopping Iguatemi, por meio de sua asessoria de imprensa, declarou que não irá se manifestar sobre o protesto, "que ocorreu de forma pacífica e não provocou transtornos".

A única nota da direção do shopping foi uma carta ao GGB, assinada por Ewerton Visco, em que o shopping alega "conhecer e respeitar a Carta Magna - que prevê o direito de demonstrações públicas de afeto - bem como a Lei Municipal número 5275/97, que trata da discriminação em virtude de orientação sexual -, mas reserva-se o direito a tomar como referência também as regras de urbanidade, que buscam evitar excessos e constrangimentos de toda ordem, sem as quais a sociedade não sobreviveria em harmonia".

Na versão do shopping, "em nenhum momento os clientes foram convidados a se retirar, havendo somente a solicitação para que o comportamento adotado por eles naquele momento fosse interrompido."

A carta foi enviada em resposta ao pedido de explicações do GGB, que exigia um pedido público de desculpas, além de abertura de procedimento investigativo para advertir "severamente o(s) faltoso(s)".

Embora tenha sido enviada dentro do prazo estipulado pela entidade - 24h a partir do pedido -, a mensagem do shopping não satisfez a direção da entidade. "Queremos que eles chamem o GGB para dar uma palestra informativa a fim de capacitar os seguranças e demais funcionários do shopping no tratamento politicamente correto aos homossexuais e transgêneros", disse Luiz Mott.

Roney e Leonardo não estiveram presentes na manifestação, mas prometem mover uma ação contra o Iguatemi por danos morais. "Não estou fazendo isso de olho em indenização, mas a nossa intenção é que esse tipo de gesto não se repita com outras pessoas", disse Roney.

A secretaria estadual de Promoção da Igualdade, Luiza Bairros, disse que apóia, de forma irrestrita, a manifestação pública de carinho entre pessoas, independente do sexo, raça ou credo.

O antropólogo Alberto Albergaria disse que a aceitação do homossexualismo está muito presente no discurso, mas que na prática não existe. "Na contramão das campanhas de igualdade de gênero e combate à homofobia, o preconceito só tem aumentado e hoje em dia um gay que assume a condição homossexual é sujeito a linchamento público e moral".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos