SP tem mais de 30 pontos críticos de alagamento; veja mapa

Gabriela Sylos
Do UOL Notícias
Em São Paulo

Você Manda

Envie suas fotos ou vídeos de problemas com as chuvas


A cidade de São Paulo conta com 32 pontos críticos de alagamento segundo balanço realizado pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). O órgão selecionou os locais em que ocorreram mais de quatro enchentes entre novembro de 2007 e abril de 2008, o período de chuvas.

Algumas vias chegam a ter mais de um trecho com problemas constantes de alagamento, como as movimentadas marginal Tietê, Radial Leste, 23 de Maio e Francisco Morato. Alguns pontos que costumam alagar com frequência, como o cruzamento da avenida Pompeia com a Francisco Matarazzo, ficaram de fora da lista por não registrar, no período analisado, quatro ou mais ocorrências.

Veja o mapa a seguir:

Os 32 pontos mais críticos de alagamento em São Paulo, segundo o CGE






Segundo Hassan Barakat, engenheiro do CGE, é difícil apontar as causas exatas dos repetidos pontos de alagamento. "O Aricanduva, por exemplo, nem sempre alaga pelo córrego, pode ser por problemas nos bueiros", exemplifica Barakat.

O engenheiro ressalta, no entanto, que existem razões comuns para as enchentes de São Paulo. "O problema é a drenagem. Quando chove muito forte, e com o solo impermeabilizado, os bueiros não dão conta. Há o lixo nas ruas que, geralmente, é levado aos bueiros pela própria chuva. Também tem as ruas que ficam em posições muito baixas e recebem água de tudo que é lado", afirma Barakat.

Para João Sette Whitaker, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, a urbanização da cidade não considerou os aspectos hídricos locais. "A solução para estas áreas [de rios e córregos] foi canalizar e fingir que não existe", afirma Whitaker, "além disso, a impermeabilização do solo não é controlada". O professor lembra que existem regras para a ocupação dos terrenos, mas não há legislação precisa, por exemplo, para a impermeabilização dos subsolos dos edifícios, que podem chegar a quatro ou cinco andares. "A liberalidade é muito grande e o controle é muito limitado", completa.

Riscos
Algumas medidas podem ser adotadas pelos motoristas para evitar situações de risco durante a chuva. "Não transitar em vias próximas a córregos e rios e, quando encontrar um alagamento, não tentar ultrapassar de jeito nenhum a via - o motorista não tem ideia da profundidade e pode cair em um buraco, por exemplo", recomenda Hassan Barakat, engenheiro do CGE.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos