Temporal causa morte e prejuízos em Belo Horizonte (MG)

Rayder Bragon
Especial para o UOL Notícias
Em Belo Horizonte

Um temporal que durou cerca de duas horas e atingiu a região metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais, na noite de segunda-feira (16), provocou a morte de um homem e inundou várias casas e ruas em bairros da cidade. A chuva foi acompanhada de uma grande incidência de raios.

Segundo o Corpo de Bombeiros, um casal de idosos e a filha estavam dentro de um carro na avenida Prudente de Morais, bairro Santo Antônio, região centro-sul, quando o veículo, um Celta, foi encoberto pela enxurrada. Populares e bombeiros socorreram os ocupantes, mas Aloísio Carlos de Paula, 86 anos, afogou-se dentro do carro e morreu a caminho do pronto-socorro.

A mulher dele, Dalva Rocha de Paula, também de 86 anos, está internada no CTI do hospital São Lucas, em estado gravíssimo. A filha do casal, que dirigia o carro, foi medicada e não corre risco de morte.

Ao todo, 33 pessoas morreram em Minas Gerais vítimas das chuvas desde o mês de setembro de 2008.

De acordo com a Defesa Civil de Belo Horizonte e o Corpo de Bombeiros, várias ruas da cidade ficaram alagadas ontem. A região centro-sul e a oeste foram as mais afetadas. No bairro Prado, oeste da cidade, casas e estabelecimentos comerciais foram invadidos pela enxurrada. Na rua Erê, carros de alunos de uma faculdade, que estavam estacionados, foram arrastados pela correnteza que se formou no local. O órgão de defesa informou que foram recebidas 36 ocorrências de inundações e infiltrações, além de trincas e rachaduras em casas, mas não houve desabrigados ou desalojados.

O ribeirão Arrudas transbordou no bairro Salgado Filho, e casas próximas foram inundadas, além de carros terem sido atingidos.

Em Contagem, casas da Vila Itaú foram inundadas e parte da Via Expressa também ficou submersa.

A Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) informou que 15 mil consumidores ainda estão sem luz na região metropolitana. Durante a chuva, cerca de 30 mil ficaram no escuro.

Raios e volume de chuva
Segundo a meteorologia, choveu em duas horas cerca de 60 mm (cada milímetro equivale a um litro de água por metro quadrado) somente na região da Pampulha, ou seja, foi registrado mais de um terço do volume esperado para todo o mês de março, estabelecido em 163 mm.

"Estamos ainda coletando os dados de outras regiões da cidade, mas os níveis devem ficar acima disso. É um volume muito alto", disse Ruibran dos Reis, meteorologista do instituto MGtempo/Cemig/Pucminas.

De acordo com Reis, no momento da chuva, caíram 271 raios somente em Belo Horizonte. Na cidade de Betim, na região metropolitana, foram registrados 320 descargas atmosféricas.

O meteorologista descartou a possibilidade de novos temporais com a mesma intensidade do que caiu na noite de segunda-feira, mas faz alerta para chuvas intensas em regiões do Estado nos próximos dias.

"Nesta terça-feira (17), pela manhã, estamos esperando fortes chuvas na região do Alto Paranaíba, entre as cidades de Patos de Minas, Araxá e Patrocínio. Em Belo Horizonte, não há previsão de chuvas intensas", avaliou.

Reis atribuiu o temporal na região de Belo Horizonte a uma massa de ar frio, vinda do Sul, que se encontrou com uma massa de ar quente estacionada sobre a região. Ainda contribuiu para o temporal uma frente fria estacionada no litoral do Rio de Janeiro desde o último fim de semana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos