Sindicato dos Metalúrgicos distribui cestas básicas a demitidos de empresa alemã

Marli Moreira
Da Agência Brasil
Em São Paulo

Os mais de 60 empregados demitidos, no último dia 20 de fevereiro, da empresa Bekun do Brasil, fabricante de embalagens de plástico, que compareceram hoje (23) à sede da companhia, receberam uma cesta básica do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e de Mogi das Cruzes.

Trabalhadores demitidos de multinacional alemã ocupam fábrica em São Paulo

Os 60 funcionários despedidos pela Bekum do Brasil completam uma semana de ocupação na fábrica nesta terça-feira (10), na zona sul de São Paulo

A medida foi uma forma de reduzir as dificuldades que esses trabalhadores estão enfrentando depois serem dispensados sem receber as verbas rescisórias, informou o presidente do Sindicato da categoria, Miguel Torres. A título de protesto, desde o último dia 3, um grupo, com o apoio do sindicato, ocupa o galpão da fábrica.

Torres criticou a atitude da empresa de ter entrado com pedido de recuperação judicial logo após a demissão em massa. "Não vemos nenhum motivo para a Bekun entrar com esse pedido na Justiça e por isso pedimos a instauração de dissídio coletivo junto à Justiça trabalhista", argumentou o líder sindical. A expectativa é de que o recurso seja apreciado ainda nesta semana.

Procurada pela Agência Brasil, a porta-voz da empresa, Anneliese Moretiz, do escritório jurídico Felsberg e Associados, contratado pela Bekun para acompanhar o caso, informou que o pagamento aos trabalhadores não poderá ser feito, no momento, sob pena de crime. Ela justificou que no último dia 16, o juíz da 1ª Vara de Falência da Justiça do Estado de São Paulo, Luiz Alexandre Lazzarini, deu parecer favorável ao pedido de recuperação judicial.

"Diante disso, a Bekun não pode pagar nenhum credor pelo prazo de seis meses e no que se refere às questões trabalhistas, a companhia terá prazo de um ano para quitar seus débitos", alegou Moretiz. Ainda segundo a advogada, a empresa, que tem sede na Alemanha e mantém outra subsidiária nos Estados Unidos, tomou tal decisão em razão dos resultados financeiros negativos que vem registrando desde 1997.

Com a crise financeira internacional, agravada no segundo semestre do ano passado, conforme Moritz, "afetando os negócios lá fora, além do aumento da concorrência no mercado interno", o balanço patrimonial da empresa fechou 2008 com um déficit de R$ 2,4 milhões. Só no primeiro trimestre de 2009, já acumula perdas de R$ 3 milhões.

A idéia, de acordo com a advogada, é de manter uma estrutura mínima no Brasil para atender os clientes que necessitam de manutenção nos equipamentos. Além disso, ela informou que existem cerca de l.300 pedidos em carteira e que o fornecimento deverá ser feito por meio de importações da matriz. Ela não soube precisar o número exato de demitidos, mas disse que está em torno de 64. Do total, apenas 20 deverão permanecer na empresa nessa nova fase.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos