Líderes indígenas manifestam inconformismo com retirada de arrozeiros da Raposa

Marco Antonio Soalheiro
Enviado Especial da Agência Brasil
Na Vila Surumu (RR)

O processo de desocupação da Terra Indígena Raposa/Serra do Sol - previsto para ser encerrado hoje (30) pacificamente - não é traumático apenas para quem está de partida. Representantes da Sociedade dos Índios Unidos em Defesa de Roraima (Sodiu-RR), que sempre foram contrários à retirada dos brancos da reserva, ainda demonstram inconformismo com a decisão do Supremo Tribunal Federal e se emocionam ao acompanhar a saída de vizinhos.

Polêmica em Roraima

  • Roosewelt Pinheiro/ABr

    Dionito José de Souza, coordenador-geral do Conselho Indígena de Roraima (CIR) e um dos principais líderes indígenas da Raposa/Serra do Sol, diz que o Exército terá que comunicar previamente as comunidades antes de fazer qualquer operação na reserva; termina nesta sexta-feira (30) o prazo concedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para a saída de não índios da Raposa/Serra do Sol

"É uma injustiça. Porque se o governo desse condições para todas essas pessoas seria bom, mas não dá. Só se importam com a retirada e tem família saindo para ficar na casa de um ou de outro. Então, fica uma revolta e uma dor de perder pessoas que nunca quiseram sair de dentro do Surumu", afirmou, chorando, a tuxaua [cacique] da comunidade do Surumu, Elielva dos Santos, da etnia Macuxi, enquanto observava famílias preparando suas mudanças.

"Estamos vendo um sofrimento desnecessário aqui", completou o índio José Brazão, um dos coordenadores da Sodiu-RR.

Segundo Elielva, a Sodiu-RR nunca foi ouvida pelas autoridades com atenção durante o processo que resultou na demarcação da reserva em faixa contínua. Integrantes de famílias indígenas trabalhavam nas fazendas de arroz e outras famílias de agricultores brancos nasceram e foram criados na Vila Surumu.

Essa parcela dos índios, evengélicos, tem divergências históricas com os parentes ligados ao Conselho Indígena de Roraima (CIR), católicos e entusiastas da demarcação contínua. Agora terão de chegar a um consenso quanto à exploração da área de 1,7 milhão de hectares. Mas não será fácil. Feridas seguem abertas e o risco de conflitos entre as comunidades é admissível.

"Acho que é agora que a Raposa vai ficar em guerra. Não tem mais branco para levar a culpa. O CIR não concorda com a ideologia da Sodiu-RR e não sabe respeitar a nossa opinião. Mas nossas comunidades não vão aceitar que eles cheguem impondo as coisas, ditando as regras", afirmou Elielva.

Brazão, o coordenador da Sodiu-RR, ressaltou que as comunidades ligadas à entidade têm planos imediatos para intensificar a produção agrícola de macaxeira, melancia e outros alimentos, inclusive com estrutura de transporte para viabilizar a comercialização nas cidades. Ele desdenha da capacidade do CIR de implantar algum projeto positivo na reserva.

No CIR, a direção prefere adotar um discurso diplomático. Reitera a satisfação com a decisão do STF, sob o argumento de que a cultura indígena será mais preservada e desenvolvida após a saída dos brancos. Em relação à Sodiu-RR, a promessa é de que haverá um esforço para por fim às divergências.

"Acho que isso [as diferenças ideológicas entre as entidades] vai mudar. Nossos parentes vão entender que o futuro da Raposa/Serra do Sol será melhor para todo mundo", argumentou Martinho Macuxi, coordenador do CIR.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos