Desocupação de não-índios na Raposa deve durar no mínimo mais 15 dias

Marco Antonio Soalheiro
Enviado Especial da Agência Brasil
Na Terra Indígena Raposa Serra do Sol

A Polícia Federal (PF) estima que serão necessárias pelo menos duas semanas para que os órgãos da União, supervisionados pela Justiça Federal, concluam a retirada dos não-índios, de suas criações e de todos os seus pertences da Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR).

Arrozeiro destroi outra sede antes de sair da Reserva

O produtor de arroz Paulo César Quartiero provocou a mobilização de um grande aparato policial por quase 12 horas para deixar a Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR), um dia após o fim do prazo dado pela Justiça para a saída espontânea dos não-índios da reserva. Ele recebeu em torno de 25 agentes da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança sentado sozinho em frente à segunda sede de fazenda que mandou demolir.

"O planejamento foi feito para 30 dias, mas creio que em 15 dias será possível retirar tudo", afirmou o superintendente da PF em Roraima, José Maria Fonseca. Ele avaliou que a desocupação por parte de quem não cumpriu o prazo dado pela Justiça - encerrado ontem (30) - começou de forma tranquila e, na maioria dos casos, não foi feita antes porque a União não conseguiu disponibilizar transporte necessário. Há famílias de saída que vivem em áreas de difícil acesso e outras que aguardam caminhões para fazer a mudança.

As fazendas até então exploradas por seis grandes produtores de arroz já foram desocupadas. Os últimos a deixar a área foram Tiaraju Faccio, que terminou de colher ontem, e Paulo César Quartiero, que só saiu após receber um mandado de desocupação escrito à mão pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, desembargador Jirair Meguerian.

As duas famílias de pecuaristas idosos que passaram a vida inteira na região, visitadas ontem pelo desembargador, ainda não saíram. Segundo o juiz auxiliar Lincoln Rodrigues, que acompanhou Meguerian, Adolfo Esbell alegou que tem descendência indígena e "foi dada a ele oportunidade de provar". Já Lawrence Hart só aguarda a chegada do transporte prometido pela União, que deve ser viabilizada em 15 dias.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que 300 caminhões se dividirão pela área de 1,7 milhão de hectares para concluir o quanto antes a desocupação dos remanescentes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos